Un "vergonzoso" episodio de pruebas distorsionadas

Los avistamientos de dos de los “nuevos testigos” recientemente anunciados por los McCann han sido investigados por la Policía Judiciaria (PJ), sospechosos identificados y eliminados...

La verdadera historia de Madeleine McCann

Cuatro vídeos realizados por Richplanet TV. Si quieres conocer la versión "no oficial" de esta historia... No puedes perdértelos

The Cracked Mirror

Más allá de la caja negra - Cuentos de policía - Día crucial - 4 de mayo, la actuación de su vida -Cuatro entradas con un amplio resumen del Caso Madeleine McCann desde su comienzo

Dos artículos de Chris Friend - Reportero de investigación americano

"Cuatro años después de la desaparición de una niña británica, hay más preguntas que respuestas"

Unos cuantos datos que vale la pena recordar

Excelente artículo publicado por Paulo Reis destancdo algunos detalles que vale la pena recordar sobre el Caso Madeleine McCann

Enfants Kidnappés

Blog ya desaparicido pero permanece la traducción. Un artículo que vale la pena recordar.

Artículo de obligada lectura

Reflexiones sobre temas de actualidad en Portugal por el periodista y escritor Len Port

Los McCann pierden la batalla judicial contra Gonçalo Amaral (2017)

Se enfrentan ahora al pago de las costas judiciales

jueves, 31 de mayo de 2007

Caso Madeleine McCann - Gerry y Kate McCann adelantan la visita a España

---

SOL

Los padres de la niña inglesa desaparecida en el Algarve adelantaron para hoy su viaje a Madrid donde serán recibidos el viernes por un miembro del gobierno español.

Hablando a primera hora de la tarde junto al bloque de donde la pequeña Madeleine desapareció a principios de mes, hace 27 días, en Praia da Luz, Algarve, Mitchell reveló que el matrimonio McCann saldrá del complejo sobre las 16 horas de hoy camino del aeropuerto de Faro.

De Faro viajarán a Lisboa, de donde a primera hora de la noche saldrán en un vuelo comercial hacia Madrid.

El viaje a la capital española es la segunda ocasión en que el matrimonio sale al extranjero desde que su hija desapareció el 3 de mayo, después de la visita al Vaticano realizada el miércoles.

En Madrid, el matrimonio será recibido por el Ministro del Interior español, Alfredo Pérez Rubalcaba, o por un secretario de Estado del mismo Ministerio, adelantó el portavoz que acompaña al matrimonio británico.

En la capital española, los McCann darán una rueda de prensa y se encontrarán con organizaciones no gubernamentales de seguridad infantil que tratan con raptos de niños.

Los padres de la niña de cuatro años desaparecida regresarán el viernes y se quedarán en Praia da Luz durante el fin de semana con sus otros dos hijos, gemelos, que no los acompañarán a España.

A principios o mediados de la próxima semana, Gerry y Kate McCann viajarán a Berlín y desde la capital alemana seguirán a Ámsterdam, en Holanda, donde también divulgarán el caso de la desaparición de su hija.

Marruecos constituirá el cuarto desplazamiento del matrimonio, pero se desconoce aun la fecha en que se realizará.

Una niña parecida a Madeleine McCann habría sido vista en un área de servicio de una autopista próximo a Marraquech por una turista noruega residente en Málaga, testimonio que sigue siendo investigado por la Policía Judicial, con la ayuda de la policía marroquí.


SOL

En España

El matrimonio McCann se va a reunir con la embajadora británica

Los padres de Madeleine se reunirán con la embajadora del Reino Unido en Madrid, a continuación con las autoridades y organizaciones españolas de protección infantil.

Gerry y Kate McCann, los padres de la niña que desapareció en el Algarve hace casi un mes, llegarán hoy por la noche a la capital española para una visita de menos de 24 horas.

Para la mañana del viernes el matrimonio inglés tiene agendado un encuentro privado con la embajadora del Reino Unido en España, Denis Holt

Después los padres de Madeleine serán recibidos en el Ministerio del Interior español, habiendo confirmado fuentes de ese gabinete a Lusa que aun se está estudiando si el encuentro será a nivel ministerial o de la secretaría de Estado de Interior.

Según el asesor de prensa de los McCann, Clarence Mitchell, el matrimonio se reunirá después en un hotel de Madrid con representantes de varias organizaciones españolas que trabajan en la lucha contra la pedofilia, tráfico de niños y protección infantil.

Hay previstas entrevistas con varias cadenas de televisión y otros medios de información españoles antes de una rueda de prensa general.

El matrimonio permanecerá durante algunas horas de la tarde del jueves en Madrid, antes de regresar a Portugal.

Traducción de Mercedes

miércoles, 30 de mayo de 2007

Caso Madeleine McCann – Los padres de la niña desaparecida están hoy en el Vaticano

---

SOL

El matrimonio McCann asiste hoy a la audiencia celebrada semanalmente en el Vaticano pero no saben aun si serán recibidos en privado por el Papa, dijo el portavoz del matrimonio.

Según el representante del gobierno inglés, Kate y Gerry McCann asistirán a la audiencia, que se realiza a las 10h30 en la Plaza de San Pedro, en Roma, en primera fila, delante del Sumo Pontífice, pero aun no está confirmado si serán recibidos en privado por el Papa.

Los McCann llegaron a finales de la tarde del martes a Roma, habiendo viajado desde Faro hasta la capital italiana a bordo de un jet privado puesto a disposición por el millonario británico Phillip Green, viaje cuya comitiva está integrada también por seis periodistas y el portavoz del matrimonio.

El encuentro, solicitado por los padres, fue promovido por el cardenal de Inglaterra y Gales, y el viaje organizado en estrecha colaboración con el Ministerio de Asuntos Exteriores británico, habiendo los padres de la niña pernoctado en la embajada de su país en Roma.

Durante la breve entrevista que concedieron a los periodistas a bordo del jet, Kate y Gerry dijeron que esta era la mejor oportunidad de traer de vuelta a su hija, ya que sería “imposible” que ninguna otra reunión tenga tanto impacto mediático como esta.

Subrayaron también el fuerte contexto espiritual de la visita al Vaticano, que creen que ayudará en su búsqueda de Madeleine y les renovará las energías para continuar buscándola.

Cerca de las 15h30 locales (16h30 en Lisboa), los padres de la pequeña Madeleine, que desapareció el 3 de mayo de un complejo turístico en Praia da Luz, en Lagos, volarán de regreso al Algarve y continuarán su periplo por varias ciudades europeas.

El primer destino es la capital española, Madrid, ciudad a donde viajarán el viernes y a la cual seguirá Berlín, en Alemania, y Ámsterdam, en Holanda, en el marco de la campaña que se inició en Roma con el objetivo de no dejar caer el caso en el olvido.

La pasada semana, los McCann, fervientes devotos del catolicismo, visitarán el Santuario de Fátima, donde rezarán por la pequeña Madeleine, que celebró su cuarto cumpleaños días después de haber desaparecido.


SOL

Caso Madeleine McCann – Benedicto XVI habla con el matrimonio McCann

El Papa Benedicto XVI saludó hoy al matrimonio McCann, padres de la niña inglesa desaparecida en Lagos el 3 de mayo, e intercambia breves palabras con los dos al final de la audiencia semanal en el Vaticano.

Los McCann asistieron a la ceremonia en lugar privilegiado en la primera fila de una zona reservada a cerca de 100 personas que pueden tener la posibilidad de ver de cerca a Benedicto XVI, saludarlo o darle la mano. Esta zona es habitualmente reservada a dignatarios.

En un día en que habrían asistido al Vaticano cerca de 35 mil personas, el matrimonio inglés tuvo el privilegio de contactar con el Papa en la Plaza de San Pedro.

Al final de la audiencia, el Papa Benedicto XVI se desplazó al zona reservada, y entre muchas otras personas, sujetó las manos de Gerry y Kate McCann y conversó con ellos unos minutos.

El matrimonio británico, visiblemente emocionado, entregó al Papa una fotografía de Madeleine, de cuatro años de edad, desaparecida hace casi un mes del complejo turístico Ocean Club, Praia da Luz, Lagos.

La conversación que mantuvo el matrimonio con Benedicto XVI –que habría incluido palabras de aliento dirigidas al matrimonio- serán probablemente divulgadas en una rueda de prensa fijada para primera hora de la tarde.


SOL

Caso Madeleine McCann – El matrimonio debe partir para Madrid el viernes.

El matrimonio McCann partirá el viernes hacia Madrid en el marco de la campaña europea que promueven para divulgar la desaparición de Madeleine, pudiendo encontrarse con un representante del gobierno español, dijo hoy el portavoz de la familia.

“Aun no hemos planeado como va a ser el viaje, por eso no podemos adelantar grandes pormenores, solo que será de un solo día”, dijo Clarence Mitchell a agencia Lusa aun a bordo del jet que transportó hoy al matrimonio desde Romay hasta el Algarve.

Kate y Gerry McCann, cuya hija de cuatro años desapareció hace casi un mes de un complejo turístico en Praia da Luz, iniciaron hoy en el Vaticano, en Italia, la campaña que pretenden extender a otros países europeos.

La próxima parada será la capital española, a la que seguirá Berlín, en Alemania, y Ámsterdam, en Holanda.

El jet privado puesto a disposición del matrimonio por un millonario británico aterrizó cerca de las 17h30 horas en el aeropuerto de Faro, después de una visita al Vaticano que duró menos de 24 horas y durante la cual los padres de Madeleine tuvieron la oportunidad de hablar con el Papa Benedicto XVI.

El matrimonio británico se mostró bastante más relajado durante el viaje de regreso a Portugal, después de haber sido “reconfortado” por el Papa.

Según el portavoz del matrimonio, el viaje a Madrid, además de un encuentro con un miembro del gobierno español, también están previstas reuniones con representantes de organizaciones relacionadas a la protección infantil.

Clarence Mitchell reveló además que el matrimonio ya ha solicitado participar en un programa de una conocida cadena de televisión española dedicado a niños desaparecidos.

El matrimonio quiere con esta campaña a través de Europa divulgar la desaparición de su hija, mostrando su fotografía donde fuera posible y publicitando los números de teléfono donde las personas pueden llamar en caso de tener alguna pista.

Madeleine McCann desapareció el día tres de mayo mientras dormía en un apartamento turístico con sus dos hermanos gemelos y sus padres cenaban en un restaurante próximo.

Traducción de Mercedes

martes, 29 de mayo de 2007

Caso Madeleine McCann – El matrimonio McCann ya está en Roma

---

SOL

El matrimonio Gerry y Kate McCann creen que la visita que se inicia hoy en el Vaticano es un importante “punto de cambio” en la búsqueda de su hija Madeleine.

“No esperábamos tener una oportunidad como esta”, dijo a Lusa el padre de la niña, en una breve entrevista que el matrimonio accedió a dar a los periodistas que los acompañaban a bordo de un jet privado hasta Roma. (Inciso: ¿Accedió? ¿Si no para informarles para qué iban en el “jet privado”?)

El miércoles el matrimonio McCann asistirá a las 10h30 a una misa en la Plaza de San Pedro, el Vaticano, pero aun no sabe si serán recibidos en audiencia privada por el Papa Benedicto XVI.

“Nos gustaría muchos que el Papa nos llamase para hablar con nosotros, pero ya es un privilegio venir aquí, afirmó Gerry, que la pasada semana ya se había desplaza al Santuario de Fátima, en Portugal, con Kate, para rezar por su hija desaparecida.

“La visita va a ser muy importante para nosotros espiritualmente y creemos que vamos a volver con las energías renovadas y más unidos”, subrayó.

El matrimonio partió hoy desde el aeropuerto de Faro, a las 17 horas, rumbo al Vaticano, en Roma, a bordo de un jet privado puesto a su disposición por un millonario británico.

La comitiva, compuesta por nueve personas, incluidos seis periodistas y el portavoz nombrado por el Ministerio de Asuntos Exteriores británico, aterrizó en Roma cerca de las 20h45 (19h45 en Lisboa) y regresará a Portugal el miércoles por la noche.

El Vaticano anunció el lunes oficialmente que el Papa Benedicto XVI recibirá el miércoles al matrimonio McCann.

Traducción de Mercedes

lunes, 28 de mayo de 2007

Recordando - 28 de Mayo de 2007



Caso Madeleine
Casal McCann parte amanhã para Roma
O representante do governo britânico que acompanha a investigação sobre o desaparecimento de Madeleine McCann disse hoje que os pais da menina inglesa partem terça-feira para Roma, mesmo sem terem confirmação de serem recebidos pelo Papa Bento XVI

Segundo Clarence Mitchell, a família estará presente na missa que o Papa celebra na manhã de quarta-feira em Roma, mas não têm ainda confirmação de serem recebidos pessoalmente por Bento XVI.



O casal inglês regressa na quarta-feira à noite à Praia da Luz, em Lagos, de onde a filha desapareceu no passado dia 3 de Maio, enquanto dormia num dos apartamentos do Ocean Club, juntamente com dois irmãos, gémeos.



De acordo com o representante do Ministério dos Negócios Estrangeiros inglês, a viagem dos McCann para Roma não está ainda marcada em qualquer companhia aérea, uma vez que dois milionários britânicos disponibilizaram os seus jactos privados para a deslocação.



Contudo, o casal ainda não decidiu se aceitará ou não as ofertas ou se optaram por um voo comercial, adiantou.



Clarence Mitchell disse ainda que os McCann farão da Praia da Luz o seu «quartel-general» sempre que se desloquem a cidades europeias para divulgar dados sobre a filha.



Os pais de Madeleine têm ainda prevista para sexta-feira uma viagem a Madrid, regressando no sábado à Praia da Luz e partindo depois na segunda-feira para Berlim.

Lusa/SOL



Caso Madeleine
Casal McCann vai assistir à audiência geral de quarta-feira
O Papa Bento XVI recebe quarta-feira os pais de Madeleine McCann, confirmou hoje o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi

Os pais de Madeleine, Kate e Gerry McCann, ambos católicos praticantes, assitirão à audiência geral, que se celebra na Praça de São Pedro, sendo depois recebidos pelo Pontífice.



Os McCann visitaram há poucos dias o Santuário de Fátima, em Portugal, e pediram aos peregrinos que ali se dirigem diariamente para rezarem pelo regresso da sua filha.



A criança desapareceu no dia 3 de Maio de um aldeamento turístico na Praia da Luz, perto de Lagos, quando se encontrava a dormir com dois irmãos gémeos, enquanto os pais jantavam num restaurante nas imediações.

Lusa/SOL



domingo, 27 de mayo de 2007

Recordando - 27 de Mayo de 2007



Caso Madeleine
Pais de Madeleine vão ser recebidos pelo Papa
Os pais da menina inglesa de quatro anos que desapareceu no Algarve são recebidos quarta-feira no Vaticano pelo Papa Bento XVI, em mais uma tentativa para manter o mediatismo do caso

A notícia é avançada hoje pela estação televisiva britânica Sky News e dá conta de que o pedido de audiência feito pelo casal McCann foi aceite pelo Vaticano.

Um encontro deste género é pouco frequente e o objectivo, além de «procurar apoio espiritual», é manter o caso vivo e mediático.

O casal inglês professa a religião católica, sendo presença diária na igreja da Praia da Luz e tendo já visitado o santuário de Fátima na semana passada.

A informação foi confirmada hoje cedo, segundo a Sky News, pelo Vaticano.

SOL

sábado, 26 de mayo de 2007

Recordando - 26 de Mayo de 2007



Caso Madeleine
Casal McCann convicto que anunciado suspeito pode estar ligado ao desaparecimento
Os pais de Madeleine McCann elogiaram hoje a decisão tomada pelas autoridades portuguesas de divulgar a descrição de um suspeito no dia do desaparecimento da menina, manifestando-se convictos de que esses testemunhos poderão ser relevantes no caso

Numa curta declaração a meio da tarde à porta do aldeamento de onde Madeleine desapareceu há 23 dias, Gery McCann revelou que a decisão foi tomada no dia seguinte a uma reunião que o casal teve com os investigadores, que decorreu de forma «amigável e muito construtiva».

«Foi muito bem recebida a decisão das autoridades portuguesas de libertar a descrição do homem visto por testemunhas na Praia da Luz», observou Gerry, que estava ao lado de Kate McCann.

O casal reiterou o apelo a quem tenha visto o suspeito «ou alguma coisa suspeita» na noite de 03 de Maio para que o revele à polícia.

«Por exemplo, se ele [o suspeito] tinha nos braços uma criança ou o que parecia ser uma criança, em que direcção foi e se entrou para um carro», precisou.

Kate e Gery McCann renovaram o apelo para que quem, entre a população local da Praia da Luz ou entre os turistas que ali estiveram, possam ter qualquer informação relevante, «entrem em contacto com a polícia portuguesa ou britânica».

«Não desejamos mais nada do que trazer Madeleine para casa, sã e salva», disse Gery McCann, assegurando que o casal só falará de novo quando houver matéria que o justifique.


Lusa/SOL






viernes, 25 de mayo de 2007

Recordando - 25 de Mayo de 2007



Só para a televisão
Pais de Madeleine dão hoje primeira entrevista
Gerry e Kate McCann serão hoje entrevistados pelas televisões britânicas e portuguesas, na Praia da Luz, avança o DN. A imprensa e as rádios nacionais e estrangeiras ficam de fora

Os pais de Madeleine recebem hoje no apartamento que ocupam na Praia da Luz as estações de televisão britânicas e portugueses para uma entrevista inédita.

Até ao momento, Gerry e Kate McCann têm apenas prestado breves declarações e comentado o desaparecimento da sua filha através de amigos ou do seu porta-voz.

Após reunir com as televisões do seu país, o casal McCann vai conceder uma entrevista conjunta aos canais de televisão portugueses e a um representante da agência Associated Press.

Gerry e Kate, que estiveram ontem em Fátima a rezar a Nossa Senhora pelo aparecimento da menina, começam amanhã um périplo por várias cidades europeias.

SOL



Caso Maddie
PJ em busca do novo suspeito
A PJ está à procura de homem de raça caucasiana, 1,75 metros de altura e aparentando 35 a 40 anos, visto na noite e local do desaparecimento de Madeleine McCann

Trata-se do primeiro apelo lançado pela Polícia Judiciária desde o dia em que desapareceu Maddie McCann, a 03 de Maio.

Em conferência de imprensa em Portimão, a Polícia Judiciária (PJ) acrescentou que o homem tem cabelo curto à frente mas que cobre o pescoço, resultando a descrição efectuada do testemunho de várias pessoas que na Praia da Luz, Lagos, alegam ter visto um sujeito com estas características.

No apelo, a PJ convida também o indivíduo com este perfil a entrar em contacto com a polícia. O repto da PJ é feito à pessoa que eventualmente «levasse consigo uma criança ao colo ou qualquer objecto que pudesse ser com ela confundido», no sentido de colaborar com as autoridades no esclarecimento da verdade.

Segundo o porta-voz da PJ, Olegário Sousa, a descrição do homem existe nos autos desde o início do processo, tendo sido feita por diversas pessoas.

Ainda segundo aquele responsável, a descrição só agora foi divulgada dado que a responsabilidade é de «quem dirige a investigação e estipula os tempos e oportunidades».

Olegário Sousa referiu que têm sido feitas várias «inquirições e reinquirições de testemunhas para confirmar ou não questões de pormenor», acrescentando que «continuam a ser analisadas dezenas de informações recebidas sobre eventuais localizações de Madeleine, sem que até á data nenhuma tivesse confirmação positiva».

Disse ainda que são aguardadas respostas das polícias internacionais, bem como resultados das perícias forenses que ainda não estão concluídas.

Durante as investigações, a PJ realizou buscas domiciliárias à casa do único arguido (Robert Murat) e aos apartamentos de um cidadão russo, que construiu um "site" de mediação imobiliária na Internet para Murat.

A Judiciária também realizou uma busca à casa de uma cidadã alemã que é sócia de Murat na empresa imobiliária Romingen.

Madeleine McCaan desapareceu na noite de 03 de Maio do aldeamento turístico «Ocean Club» na Praia da Luz, Lagos, Algarve, enquanto dormia com dois irmãos no apartamento e os pais jantavam num local a 50 metros.




miércoles, 23 de mayo de 2007

Recordando - 23 de Mayo de 2007



Madeleine
Análises a vestígios não dão novas pistas
Os exames aos vestígios recolhidos pela PJ na casa de Robert Murat, único arguido do caso do desaparecimento de Madeleine McCann, em Lagos, são inconclusivos por estarem contaminado

O jornal Correio da Manhã, que cita declarações do presidente do Instituto Nacional de Medicina Legal (INML), diz que os exames dos vestígios recolhidos na vivenda de Robert Murat, no apartamento do empreendimento Ocean Club, de onde desapareceu a criança inglesa de quatro anos, na casa de uma das testemunhas, o russo Sergey Malinka, bem como noutras habitações não forneceram quaisquer provas aos investigadores.

«Isto não é como se vê nas séries (televisivas) do CSI», disse ao jornal o presidente do INML, Duarte Nuno Vieira, adiantando que os vestígios são facilmente contaminados, até pela presença de simples insectos nas proximidades.

O Correio da Manhã afirma que os técnicos do INML procuraram extrair das amostras códigos genéticos para compará-los com os dos suspeitos.

Os vestígios (cabelos, resíduos de suor e fibras de vestuário) foram recolhidos por especialistas do laboratório de Polícia Científica e enviados para análise nos laboratórios do INML em Porto, Coimbra e Lisboa.

O diário adianta, citando base numa fonte próxima da investigação, que os vestígios vão ser ainda sujeitos a exames mais complexos e demorados.

Madeleine McCann desapareceu há 20 dias de um apartamento de um empreendimento turístico em Lagos, no Algarve, onde passava férias com os pais e os dois irmãos.

Lusa / SOL



Madeleine
Instituto de Medicina Legal esclarece que ainda não há resultados das análises
O presidente do INML garante que os exames aos vestígios recolhidos pela Polícia Judiciária no caso do desaparecimento de Madeleine ainda estão a decorrer, sem que haja conclusões

Em declarações à agência Lusa, o presidente do INML, Duarte Nuno Vieira, disse que «os exames estão a decorrer e há ainda amostras por analisar», pelo que «não se pode tirar qualquer conclusão».

O Correio da Manhã e o Diário de Notícias avançam hoje que os exames aos vestígios recolhidos pela Polícia Judiciária na casa de Robert Murat, único arguido do caso do desaparecimento de Madeleine McCann, em Lagos, são inconclusivos por estarem contaminados.

O Correio da Manhã afirma que os exames dos vestígios recolhidos na vivenda de Robert Murat, no apartamento do empreendimento Ocean Club, de onde desapareceu a criança inglesa de quatro anos, na casa de uma das testemunhas, o russo Sergei Malinka, bem como noutras habitações não forneceram quaisquer provas aos investigadores.

Duarte Nuno Vieira adiantou ainda à Lusa que quando houver resultados «só» serão divulgados à instituição que os requisitou, ou seja a Polícia Judiciária. Madeleine McCann desapareceu há 20 dias de um apartamento de um empreendimento turístico em Lagos, no Algarve, onde passava férias com os pais e os dois irmãos.

Lusa / SOL



Filha desapareceu há 20 dias
Pais de Madeleine rezam no Santuário de Fátima
Os pais de Madeleine McCann estão em Fátima para rezar pelo aparecimento da filha. O casal pediu uns momentos de oração privados antes de participar na celebração do terço na capelinha do Santuário

A mãe, com uma rosa amarela, e o pai com um pequeno laço de seda na t-shirt fizeram todo o percurso em silêncio até se recolherem na Capela de Nossa Senhora das Dores, um dos templos privados do Santuário por volta das 11h.

Ao meio-dia, o casal irá participar na oração do terço na Capelinha das Aparições e só depois serão prestadas declarações às dezenas de jornalistas portugueses e estrangeiros que estão hoje em Fátima.

A presença dos McCann motivou a solidariedade de alguns peregrinos, entre os quais um casal de irlandeses que empunhava um cartaz onde se podia ler «a Irlanda reza por Madeleine».

Estes irlandeses representam uma organização Católica irlandesa, o Irish Center, que lida com tráfico de crianças e de órgãos.

Outros elementos desta organização pediram aos McCann para fornecerem fotografias da Madeleine para reforçar o apelo ao seu aparecimento junto dos canais da instituição.

Lusa / SOL



Caso Maddie
Sócia de Robert Murat e marido saíram das instalações ds PJ às 15h30
A sócia alemã de Robert Murat, o único arguido no «Caso Madeleine», e o seu marido português sairam às 15h30 das instalações da Polícia Judiciária de Portimão, depois de terem sido interrogados como testemunhas

A alemã é sócia de Robert Murat no site online de venda imobiliária Romigen e vive na Praia da Luz há vários anos.

O seu marido, que também foi ouvido pela PJ, é português e faz manutenção dos jardins e da piscina do resort Ocean Club - de onde desapareceu Madeleine McCann - e da vivenda da mãe de Robert Murat, a Casa Liliana.

Os dois já teriam sido ouvidos no Departamento de Investigação Criminal (DIC) de Portimão da Polícia Judiciária no passado dia 14 de Maio, dia em que Robert Murat foi constituído arguido.

Madeleine McCann, de quatro anos, desapareceu há 20 dias de um apartamento de um empreendimento turístico em Lagos, no Algarve, onde passava férias com os pais e os dois irmãos gémeos.


Lusa/SOL





martes, 22 de mayo de 2007

Recordando - 22 de Mayo de 2007



Caso Maddie
Polícia britânica pede fotografias de férias a turistas
A polícia britânica pediu a todos os turistas que estiveram no Algarve nos dias circundantes ao rapto da pequena Madeleine McCann, na esperança de lançar uma nova luz sobre este problemático caso

A Scotland Yard pede a todos os turistas que tenham estado na Praia da Luz até duas semanas antes do sequestro que enviem qualquer foto com pessoas desconhecidas em segundo plano.

Os rostos que surgirem serão comparados com as imagens de pederastas e outros delinquentes disponíveis na base de dados da polícia britânica.

Os detectives envolvidos no caso reconhecem que as suas pesquisas não estão a conduzir a lado algum. O pai da pequena, Gerry McCann, regressou pela primeira vez a Inglaterra desde o sequestro da pequena, onde criou um fundo de ajuda para encontrar a sua filha.

Os pais de Madeleine vão deixar o Algarve amanhã para visitar Fátima, de onde seguirão para uma viagem por toda a Europa.

SOL com agências




Media
O antes e o depois do caso Madeleine
Os jornalistas Ricardo Costa (SIC) e José Alberto Carvalho (RTP1) comentaram o papel dos media durante o caso e frisaram a habilidade com que o casal McCann utiliza o espaço mediático

A primeira conferência do ciclo Falar Global, dedicada ao tema 'O Poder da Televisão na Comunicação do Futuro', foi esta terça-feira pretexto para um debate entre Ricardo Costa, José Alberto Carvalho e a plateia sobre o papel dos jornalistas no acompanhamento do caso do desaparecimento de Madeleine McCann.

No final do encontro, no período dedicado às perguntas e respostas, José Alberto Carvalho frisou a habilidade com que o casal McCann tem utilizado e monopolizado a atenção dos jornalistas, para garantir a visibilidade do caso.

O sub-director de programas da RTP1 deu como exemplo as constantes conferências de imprensa e declarações proferidas pelos pais da menina desaparecida, nomeadamente quando estes anunciaram ficar em Portugal até à resolução do caso.

Como novidade trazida pela saga mediática que tem apaixonado Portugal e o mundo anglófono, José Alberto Carvalho salienta a progressiva mudança de atitude na relação entre a Polícia Judiciária e a comunicação social.

Nos dias seguintes ao desaparecimento na Praia da Luz da menina inglesa de 4 anos, eram muitas as críticas dirigidas pelos media britânicos ao aparente secretismo das autoridades portuguesas, que depois passaram a realizar inúmeras conferências de imprensa.

No entanto, José Alberto Carvalho duvida que futuros casos de desaparecimento de crianças em Portugal tenham a mesma cobertura ou acompanhamento.

Por seu turno, Ricardo Costa salientou o carácter global que o caso adquiriu, ao recordar os directos feitos pelas agências e televisões internacionais durante as conferências de imprensa da Polícia Judiciária, mesmo quando estas eram conduzidas em língua portuguesa.

O Director da SIC Notícias atribui o interesse generalizado pelo caso a uma série de factores, como a nacionalidade da criança desaparecida, o modo como os pais utilizaram a comunicação social e a existência de uma numerosa comunidade britânica do Algarve.

Apesar da gravidade do caso, Ricardo Costa aponta aspectos positivos ao acompanhamento da situação, como o retomar dos temas da pedofilia, a recuperação de outros casos de desaparecimento ainda por resolver e a renovada relação entre a Polícia Judiciária e os jornalistas.

No entanto, o director do canal de notícias de Carnaxide não esqueceu alguns erros cometidos durante a cobertura do caso, como a divulgação do nome de Robert Murat enquanto suspeito de rapto, numa altura em que o cidadão britânico ainda não tinha sido constituido arguido.


marta.p.miguel@sol.pt




lunes, 21 de mayo de 2007

Recordando - 21 de Mayo de 2007



Por um dia
Pai de Madeleine está em Inglaterra
Gerry McCann, o pai de Madeleine, voou até Inglaterra pela primeira vez desde o desaparecimento há 18 dias da criança de quatro anos

O pai da menina britânica desaparecida na Praia da Luz, no Algarve, a 3 de Maio regressou hoje a inglaterra para uma «pequena visita privada», disse Brian Kennedy.

O tio avô de Madeleine não adiantou mais informações sobre os motivos da viagem que os meios de comunicação social acreditam estar relacionada com assuntos de rotina.

Pensa-se que Gerry McCann irá reunir-se hoje com os organizadores da campanha online para ajudar a encontrar Madeleine.

O site já ultrapassou um milhão de páginas vistas e 76 mil mensagens de apoio recebidas por pessoas de todo o mundo que estão a acompanhar o caso.

Reuters/SOL


domingo, 20 de mayo de 2007

Recordando - 20 de Mayo de 2007



Terça-feira
Carmelitas convocam oração nacional por Madeleine
A Congregação das Irmãs Carmelitas organizam terça-feira uma oração nacional por Madeleine McCann, anunciou hoje o padre José Pacheco na Praia da Luz

A oração, pela menina britânica de quatro anos desaparecida há 17 dias na Praia da Luz, está marcada para as 22h, tendo a congregação enviado emails para todas as paróquias do país.

O anúncio foi feito pelo pároco da igreja católica da Praia da Luz, José Manuel Pacheco, na missa desta manhã a que assistiram, como é hábito, os pais de Madeleine, Gerry e Kate McCann.

SOL com agências



Caso Madeleine
Gerry McCann vai a Inglaterra por um dia
O pai da menina desaparecida há 17 dias no Algarve, Gerry McCann, parte hoje para Inglaterra, onde deverá permanecer cerca de 24 horas para ajudar a coordenar a campanha internacional pela filha, noticiou hoje a Sky News

Citando uma fonte familiar, o canal de notícias britânico adianta que Gerry vai «"tratar de assuntos pessoais» e para se encontrar com organizadores do fundo Find Madeleine (Encontrar Madeleine) na Grã-Bretanha.

A mulher de Gerry, Kate, e os gémeos Sean e Amelie (ambos com dois anos) permanecerão no Ocean Club, aldeamento turístico de onde Maddie desapareceu dia 3 de Maio e onde os McCann têm pernoitado desde então.

A mesma fonte afirmou que Gerry «estará fora por razões muito práticas e estará de volta tão brevemente quanto possível«.

Adiantou que a visita a Inglaterra envolverá diligências que permitirão ao casal «manter-se em Portugal no futuro próximo».

A partida de Gerry McCann do aeroporto de Faro está prevista para as 22h10 num voo da Easyjet, que deverá chegar ao aeroporto britânico de East Middland à 1h local (mesma hora em Lisboa).

Hoje de manhã, o casal McCann assistiu à missa dominical na pequena igreja da Praia da Luz, celebrada pelo padre José Manuel Pacheco.

À tarde, os McCann deram o seu habitual passeio pela vila.

Lusa/SOL



jueves, 17 de mayo de 2007

Recordando - 17 de Mayo de 2007



Caso Maddie
Arguido Robert Murat pondera agir contra comunicação social portuguesa
O único arguido do caso do desaparecimento de Madeleine McCann, o britânico Robert Murat, pondera agir criminalmente contra alguns órgãos de comunicação social portugueses por considerar que têm publicado notícias especulativas sobre a sua vida privada

A informação foi dada hoje à comunicação social por um amigo muito próximo de Murat, Tuck Price, que acrescentou que Robert «está devastado com as notícias sobre a sua vida íntima».

Tuck Price - que também tem sido o porta-voz do amigo junto da imprensa britânica - assegurou que Robert «está chocado com a especulação da imprensa portuguesa», que atribuiu a «uma imaginação muito fértil».

A edição de hoje do Correio da Manhã cita uma fonte próxima da investigação e uma testemunha anónima segundo os quais Robert Murat fazia sexo com cães e gatos e matava-os a seguir.

Falando aos jornalistas à porta da casa em que o único arguido no inquérito vive com a mãe, Price garantiu que Robert Murat desmente as notícias e acrescentou que o advogado da família está a arquivar as notícias sobre o caso, «para poder agir depois».

«Ele acha que esta especulação não ajuda ninguém, muito menos Madeleine», sublinhou Price.

Price, que foi interpelado pelos jornalistas quando passava à porta da Casa Liliana, a uma centena de metros do apartamento de onde Maddie desapareceu há duas semanas, garantiu que Robert «gostaria que as atenções se centrassem sobre a menina desaparecida» e lamenta «não ter podido ajudar nas buscas nos últimos dias».

«Ele quer ter a oportunidade de limpar o seu nome, mas agora está a colaborar com a polícia para mostrar que não está envolvido», disse.

Segundo fontes próximas da investigação, Robert não está neste momento na vivenda com a mãe, encontrando-se em casa de um familiar, também na Praia da Luz.

Entretanto, três agentes da Polícia Judiciária voltaram hoje, às 11h05, à habitação dos Murat, onde ficaram até cerca das 11h45.

Ao início da tarde espera-se uma comunicação de um familiar de Madeleine, junto ao bloco do "Ocean Club" de onde a menina desapareceu, faz hoje precisamente duas semanas.



Madeleine
Casal McCann agradece apoio continuado do público e dos media
Os pais de Madeleine voltaram a agredecer o apoio e a atenção dada às buscas pela menina inglesa de quatro anos que desapareceu a 3 de Maio na Praia da Luz, no Algarve

Através de uma breve declaração lida por Michael Wright, um primo de Kate McCann, os pais de Madeleine voltaram a agradecer o apoio internacional dado ao casal, e que parte tanto do público em geral como de celebridades e de multinacionais.

Michael Wright explicou que é tempo de «transformar a esperança em acção», ao utilizar o dinheiro recebido na divulgação da imagem de Madeleine «por toda a Europa». «Não vamos deixar uma pedra por virar», prometeu a família da menina desaparecida.

Os McCann realçaram o papel dos media portugueses e britânicos na divulgação do caso. «Precisamos que continuem a apoiar-nos», leu Wright, que voltou a divulgar o endereço do site da Internet onde se pode dar informações e pistas sobre o desaparecimento de Madeleine (www.findmadeleine.com), que só hoje já terá recebido «mais de cinco milhões de visitas».

SOL



Desaparecida
Falso alarme levou GNR a procurar Madeleine na Margem Sul
A GNR do Pinhal Novo foi alertada por um indivíduo que dizia ter visto Madeleine numa carrinha, mas tratou-se apenas de um falso alarme

Segundo disse à Lusa fonte da corporação, «um indivíduo informou os militares do posto da GNR do Pinhal Novo de que teria avistado a menina inglesa (que foi dada como desaparecida há duas semanas na Praia da Luz, no Algarve) no interior de uma carrinha cinzenta».

«Foi-nos dada uma matrícula que não estava correcta porque o indivíduo terá trocado alguns números, mas conseguimos perceber qual era o veículo e falar com o proprietário ao princípio da tarde, tendo-se verificado que a informação dada não tinha qualquer fundamento», acrescentou.

O militar da GNR adiantou que apesar de se tratar de um informação que foi considerada pouco credível desde o início, as forças de segurança da região de Setúbal, incluindo a Polícia Judiciária, actuaram de imediato no sentido de localizar o veículo referenciado.

O responsável da corporação escusou-se a revelar pormenores sobre o autor da denúncia e sobre o proprietário da carrinha.

Lusa / SOL



miércoles, 16 de mayo de 2007

Recordando - 16 de Mayo de 2007



Caso Maddie
Robert Murat diz estar a ser o «bode expiatório»
Robert Murat, até ao momento o único arguido na investigação ao desaparecimento da menina de três anos Madeleine McCann, declarou hoje à Sky News que está a ser o «bode expiatório» por algo que garante não ter cometido

«Fui feito bode expiatório por algo que não fiz. Isto está a arruinar a minha vida e a da minha família (...). A única maneira de sobreviver a isto é o raptor ser detido pela polícia», afirmou o britânico à cadeia televisiva inglesa, nas primeiras declarações após ter sido constituído arguido neste caso.

Robert Murat, de 33 anos, foi ouvido na segunda-feira nas instalações da Polícia Judiciária de Portimão, depois de buscas na casa em que vivia, a 100 metros do aldeamento de onde desapareceu há 12 dias Madeleine McCann.

No mesmo dia foram inquiridas outras duas pessoas, um homem e uma mulher, mas na qualidade de testemunhas.

Lusa/SOL




Desaparecida
Site para ajudar na busca de Madeleine já está 'online'
Já está em funcionamento um site na Internet para ajudar nas buscas de Madeleine McCann, a menina inglesa de quatro anos que desapareceu há 13 dias na Praia da Luz, no Algarve

O site poderá ser encontrado no endereço www.findmadeleine.com a partir das 15h30.

O objectivo desta iniciativa dos amigos e família do casal McCann é disponibilizar toda a informação sobre a menina de quatro anos, nomeadamente sobre os fundos recolhidos para auxiliar na procura da criança.

Sobre o caso, fonte da Polícia Judiciária (PJ) admitiu hoje à agência Lusa a possibilidade de haver novas pistas no caso de Madeleine McCann, embora não tenha entrado em detalhes.

Dezenas de jornalistas continuam junto à Casa Liliana, na Praia da Luz, onde o único arguido do caso, Robert Murat, vivia nos últimos tempos.

Ao final da manhã de hoje registou-se a entrada de uma viatura - de marca Fiat Punto e de cor bordeaux - pelo portão principal da propriedade onde se situa a vivenda Liliana.

A cerca de 100 metros da Casa Liliana, junto ao apartamento de onde desapareceu Madeleine há 13 dias, dois cães pisteiros e dois de busca e salvamento mantêm-se no local, guardados por uma imagem de Nossa Senhora de Fátima colocada por um crente no local há alguns dias.

Fonte da PJ explicou à Lusa que o único arguido no caso de Madeleine, de 33 anos de idade, não se pode ausentar do país e tem que estar sempre disponível para quando a Polícia o chamar.

O inspector-chefe Olegário de Sousa adiantou que o arguido não se pode ausentar de casa por mais de cinco dias sem comunicar às autoridades judiciárias.

Na igreja da Praia da Luz têm sido celebradas missas e realizadas vigílias de solidariedade para com a pequena Madeleine e a sua família.

O templo católico está até ao final da semana aberto todo o dia, com voluntários a manter a segurança à entrada.

«Mantemos a igreja aberta o dia inteiro para que as pessoas possam vir rezar aqui», explicou à Lusa uma senhora britânica, de sobrenome Hyett, a residir no concelho de Lagos há sete anos.

Lusa / SOL



Madeleine
PJ está a interrogar russo amigo de Robert Murat
A Polícia Judiciária está a ouvir em Portimão um cidadão russo com ligações a Robert Murat, até agora o único arguido no caso do desaparecimento de Madeleine, disse fonte próxima da investigação

Esta audição resulta dos esforços desenvolvidos ao longo do dia de hoje pela PJ para localizar o cidadão russo.

O jornal Correio da Manhã destacou hoje em manchete que a PJ estava à procura de um «russo perigoso», salientando que as autoridades pensam que este «amigo de Robert Murat» pode ter pistas sobre o destino de Madeleine.

Segundo o CM, o cidadão russo tem antecedentes criminais por violência sexual.

Madeleine McCann, que completou quatro anos no sábado, desapareceu no dia 3 de Maio de um quarto do aldeamento turístico Ocean Club, na Praia da Luz, Algarve, onde estava com mais dois irmãos e enquanto os pais jantavam num restaurante nas imediações.

O britânico Robert Murat, residente na Praia da Luz, foi já constituído arguido no inquérito do desaparecimento de Maddie.

Lusa / SOL



Madeleine
PJ apreende computadores do amigo russo de Robert Murat
Elementos da Polícia Judiciária que investigam levaram hoje dois computadores e outro material da casa de um cidadão russo que reside próximo do aldeamento Ocean Club

Os quatro elementos da PJ abandonaram a casa cerca das 19h50, uma hora e meia depois de terem entrado, e levaram consigo o cidadão russo, alegadamente amigo de Robert Murat, o único arguido até agora conhecido neste processo.

Segundo a agência Lusa presenciou no local, os elementos da PJ, que se deslocaram em duas viaturas, retiraram da casa dois computadores e um saco preto, contendo material diverso que não foi identificado.

Os agentes da PJ chegaram ao apartamento cerca das 18h10 de hoje, acompanhados pelo cidadão russo, que tinha estado a ser ouvido pela PJ de Portimão.

O apartamento em questão, onde o russo vive com os pais, dista cerca de 600 metros, em linha recta, do aldeamento turístico de onde há 13 dias desapareceu a menina inglesa Madeleine MacCann, de quatro anos.

São ainda desconhecidas as razões da visita da PJ à casa, bem como em que qualidade é que o cidadão russo foi ouvido pela PJ.

Antes da chegada, o pai confirmou à agência Lusa a nacionalidade do filho. Um vizinho relatou ainda que o cidadão russo ouvido pela PJ é proprietário de uma loja de informática na zona de Lagoa.

Madeleine McCann, que completou quatro anos sábado passado, desapareceu no dia 3 de Maio de um quarto do aldeamento turístico Ocean Club, na Praia da Luz, perto de Lagos, no Algarve, onde estava a dormir com mais dois irmãos e enquanto os pais jantavam num restaurante nas imediações.

Lusa / SOL






martes, 15 de mayo de 2007

Recordando - 15 de Mayo de 2007



Madeleine
Dois suspeitos deixaram a PJ durante a noite
Duas das três pessoas inquiridas no Departamento de Investigação Criminal da PJ de Portimão, no âmbito do desaparecimento de Madeleine, saíram das instalações cerca da 1h45

As duas pessoas, um homem e uma mulher, abandonaram o DIC de Portimão cerca de duas horas e quarenta e cinco minutos depois do outro homem ouvido pela PJ ter saído das instalações.

Em ambas as situações, as pessoas abandonaram o DIC em veículos, acompanhados por agentes da PJ.

Na última saída, as duas pessoas seguiram de cabeça baixa dentro de um automóvel acompanhados por dois agentes Aliás, ao longo da noite vários agentes foram entrando e saindo das instalações do DIC de Portimão.

Segundo informações recolhidas pela agência Lusa, a primeira pessoa que saiu no carro da PJ em alta velocidade, baixando a cabeça à passagem pelos jornalistas, será um cidadão português, conhecido do inglês cuja vivenda, na Praia da Luz, Lagos, esteve hoje durante todo o dia a ser revistada pela autoridades.

Lusa / SOL



Madeleine
Robert Murat é constituido arguido
O britânico Robert Murat, residente perto do local de onde desapareceu Madeleine McCann a 3 de Maio, foi hoje constituido arguido, após intenso interrogatório e longas buscas à sua casa na Praia da Luz

A Polícia Judiciária constituiu como arguido uma das três pessoas que esteve a interrogar na segunda-feira, sem a identificar, mas que a comunicação social afirma ser Robert Murat, vizinho do aldeamento de onde desapareceu a jovem Madeleine MacCann.

Fonte da PJ em Lisboa acrescentou que durante as investigações e perícias à casa de Robert Murat foram apreendidos computadores e telemóveis.

O indivíduo constituído arguido é, segundo a comunicação social, Robert Murat, que vive em casa da sua mãe a escassos metros do aldeamento de onde Madeleine desapareceu há 12 dias.

Robert Murat foi denunciado à polícia pela jornalista britânica Lori Campell, do Sunday Mirror, que estranhou o comportamento do cidadão inglês nos primeiros dias da investigação.

A jornalista referiu que estranhou que o inglês «não falasse muito da menina, mas sobretudo do que a polícia andava a fazer e do andamento da investigação».

Na sequência desta denúncia, elementos da Polícia Judiciária efectuaram segunda-feira, ao longo de todo o dia, a vivenda Casa Liliana onde Robert Murat, vive e que fica próximo do aldeamento em causa.

Ao longo de segunda-feira, a Policia Judiciária inquiriu três pessoas, uma das quais Robert Murat, sendo que as restantes estão relacionadas com o cidadão britânico.

Robert Murat é divorciado, vive com a mãe e tem uma filha de quatro anos que vive com a ex-mulher em Inglaterra.

Madeleine McCann, que completou quatro anos no sábado, desapareceu no dia 3 de Maio de um quarto do aldeamento turístico Ocean Club onde estava com mais dois irmãos e enquanto os pais jantavam.

Lusa / SOL



Caso Maddie
PJ sem elementos de prova que justifiquem detenção de Robert Murat
A Polícia Judiciária revelou hoje que ainda não foram recolhidos elementos de prova que justifiquem a detenção e posterior interrogatório judicial do único arguido no caso do desaparecimento de Madeleine McCann, o britânico Robert Murat

Sem nunca identificar o arguido, o inspector-chefe Olegário Sousa, que falava em conferência de imprensa em Portimão, adiantou que o suspeito foi ouvido pela PJ segunda-feira na qualidade de arguido, não tendo sido recolhidos elementos de prova que fundamentassem a sua detenção e posterior interrogatório por um juiz.

Uma fonte ligada às investigações tinha declarado anteriormente à agência Lusa que o único arguido neste caso é o britânico Robert Murat, um homem de 33 anos residente na Praia da Luz, perto de Lagos, Algarve.

Numa primeira fase do caso, disse o inspector, o arguido ofereceu-se para «colaborar com as autoridades».

Aos jornalistas, nos primeiros dias do desaparecimento de Madeleine McCann, Robert Murat apresentava-se como «tradutor» e «amigo próximo da família».

Robert Murat foi ouvido pela PJ durante 14 horas na segunda- feira, tal como outras duas pessoas, um homem e uma mulher.

Das três pessoas ouvidas segunda-feira, disse hoje Olegário Sousa, uma foi constituída arguida e as outras duas foram ouvidas como testemunhas.

Olegário Sousa confirmou hoje que no decurso das buscas à casa do homem constituído arguido a PJ apreendeu diverso material para análise.

O local foi também objecto de perícias técnicas, acrescentou.

Segundo a PJ, foi a recolha de informação no passado fim-de- semana que permitiu chegar ao indivíduo agora constituído arguido.

Na posse de mandados, a PJ realizou cinco buscas a outras tantas residências no intuito de encontrar prova material para o inquérito, tendo como objectivo principal a recolha de informação que permita localizar e recuperar Madeleine McCann, desaparecida há 12 dias.

Segundo o inspector-chefe Olegário Sousa, as investigações prosseguem, sendo que parte substancial das diligências em curso está directamente relacionada com as que foram realizadas na segunda-feira.

Olegário Sousa indicou que a qualquer altura podem surgir novos indícios, pistas e suspeitos e que as investigações estão todas concentradas na área.

Lusa/SOL





lunes, 14 de mayo de 2007

Recordando - 14 de Mayo de 2007



Conferência de imprensa
Pais de Madeleine agradecem apoio
O casal McCann agradeceu esta manhã «o excelente trabalho dos jornalistas» e as ofertas de dinheiro que chegam de todo o mundo para ajudar na busca de Madeleine

Em conferência de imprensa dada esta manhã na Praia da Luz, Gerry e Kate McCann agradeceram a atenção mediática dada ao caso do desaparecimento da sua filha Madeleine, que considera «essencial» para o desfecho do caso.

Gerry, o pai da menina desaparecida, declarou acreditar que «até prova em contrário, Madeleine está a salvo», e disse estar a tentar não pensar em «especulações». Kate, a mãe, disse ainda que não pensa sequer deixar Portugal enquanto o caso não for resolvido.

A breve declaração dos pais de Madeleine será a última durante os próximos tempos, uma vez que o casal McCann anunciou que a comunicação com a imprensa se fará a partir de agora através dos dois advogados ingleses recentemente chegados ao Algarve.

A chegada dos dois profissionais vai permitir à família concentrar-se no seu próprio «bem-estar físico e mental», abalado após o desaparecimento da menina de quatro anos de idade, há uma semana e três dias, em Lagos.

Para essa recuperação do casal, os McCann dizem que tem sido fundamental a ajuda de um técnico da área de psicologia.


pedro.guerreiro@sol.pt



Caso Maddie
Polícia segue linhas de investigação «muito fortes»
A Polícia Judiciária (PJ) está a seguir «linhas de investigação muito fortes» no caso do desaparecimento da menina britânica Madeleine MacCann, garantiu hoje à agência Lusa uma fonte da PJ ligada à investigação

A fonte escusou-se, contudo, a especificar quais os motivos do provável rapto, que tanto pode destinar-se a pedofilia como a tráfico para adopção.

«Atendendo a que não foi pedido resgate e que a criança ainda não apareceu, o rapto é uma hipótese que tem vindo a ganhar consistência, mas ainda não está nada apurado», disse, sem pormenorizar.

A fonte da Judiciária disse que, «enquanto não se transformar a muita informação recolhida em prova, o que resta são convicções" neste cenário de crime grave, acrescentando que as "equipas da PJ estão na rua e a trabalhar arduamente» neste caso.

A mesma fonte adiantou que «ainda não há arguidos» no caso do desaparecimento de Maddie, há 11 dias, de um alojamento turístico na Praia da Luz, Lagos, sublinhando a inexistência de suspeitas relativamente aos pais da menina.

Quanto a informações veiculadas hoje na comunicação social de que os «pais de Madeleine se dedicam ao `swing' (troca de casais) e que essa actividade poderá estar relacionada com o desaparecimento da criança», a fonte da PJ vincou que «a investigação não confirma este tipo de notícias».

Relativamente ao longo interrogatório a que o pai da criança foi sujeito no final da semana passada, a fonte explicou que Gerard MacCann não esteve a ser ouvido durante 13 horas, como noticiado, o que seria «uma barbaridade».

De acordo com a explicação, o interrogatório levou mais tempo em virtude de ter sido necessária a distribuição das testemunhas por diversas salas, de ter sido necessário um tradutor, de o pai da criança se ter emocionado e de terem sido repetidas perguntas para esclarecer devidamente o depoimento que seria passado para os autos.

Os investigadores voltaram hoje às buscas próximo do aldeamento de onde desapareceu há onze dias a pequena Maddie, na Praia da Luz.

Madeleine Mccan, que completou quatro anos sábado passado, desapareceu no dia 03 de Maio de um aldeamento turístico na Praia da Luz, estando os pais a jantar num restaurante dentro do empreendimento e próximo da habitação onde a menina dormia, juntamente com dois irmãos gémeos.


Lusa/SOL



Caso Maddie
PJ efectua busca a uma vivenda situada a 100 metros do «Ocean Club»
A Polícia Judiciária (PJ) e a GNR estão desde as 19:15 de hoje a fazer buscas na vivenda de um indivíduo de ascendência britânica situada a 100 metros do local onde desapareceu há 11 dias Madeleine McCann

O indivíduo é divorciado e vive com a mãe, uma inglesa de 79 anos, e com o filho de três anos.

As buscas de hoje resultaram de uma denúncia de uma jornalista britânica, Gaynor de Jesus, do «Sunday Mirror», que estranhou o comportamento do homem durante os primeiros dias de investigação.

De acordo com a repórter, o dono da casa quando se referia às buscas dizia sempre que «já era tarde de mais ou que Madeleine já estaria em Espanha».

Por outro lado, acrescentou Gaynor de Jesus, o indivíduo dizia que era porta-voz da família McCann, o que não correspondia à verdade.

«Estranhei que ele não falasse muito da menina, mas sobretudo do que a polícia andava a fazer e do andamento da investigação", contou a repórter do "Sunday Mirror», que transmitiu as suspeitas às autoridades portuguesas.

A mãe do indivíduo montou há dias uma banca de recolha de depoimentos sobre o desaparecimento da menina de quatro anos, com o argumento de que pretendia recolher testemunhos de pessoas que, por qualquer razão, tivessem medo de contactar com as autoridades.

O início das buscas nesta casa foi marcado por uma correria dos jornalistas portugueses e estrangeiros que estavam no «Ocean Club», o complexo turístico da Praia da Luz (Lagos) de onde desapareceu a menina de quatro anos, aguardando o depoimento do embaixador britânico.

A GNR montou um apertado esquema de segurança em redor da casa e vedou o acesso ao quarteirão.

Lusa/SOL



Caso Maddie
Três suspeitos interrogados pela PJ de Portimão
A PJ tem sob custódia três suspeitos do rapto da pequena Madeleine. O principal suspeito, Robert Murat, é proprietário da casa que tem sido revistada pela polícia ao longo do dia

Após revistar a casa de Robert Murat, os agentes da PJ de Portimão trouxeram o suspeito para a esquadra para procederem ao interrogatório. A mãe de Murat afirmou que o seu filho não foi detido.

A propriedade, pertencente a Robert Murat e à sua mãe, Jennifer, começou a ser investigada durante a tarde. A polícia drenou a piscina e selou todas as entradas da villa.

As buscas de hoje resultaram de uma denúncia de uma jornalista britânica, Gaynor de Jesus, do Sunday Mirror, que estranhou o comportamento demasiado prestável do homem durante os primeiros dias de investigação.

De acordo com a repórter, o dono da casa quando se referia às buscas dizia sempre que «já era tarde de mais ou que Madeleine já estaria em Espanha». O jornalista estranhou também o seu envolvimento exagerado no caso: «ele disse-me que tinha mulher e uma filha de quatro de anos e que estava um pouco abalado porque Madeleine lhe fazia lembrar da sua própria filha».

Segundo a SkyNews, Murat teve uma brincadeira algo dúbia ao afirmar que se tinha tornado o primeiro suspeito do desaparecimento de Madeleine.

«As pessoas começaram a perguntar quem era ele. Alguns dias depois, a desconfiaça surgiu em relação a quem ele era e porque motivo estaria sempre perto», afirmou o jornalista.

Gaynor de Jesus contou que o indivíduo se apresentava como porta-voz da família McCann, o que não correspondia à verdade. «Estranhei que ele não falasse muito da menina, mas sobretudo do que a polícia andava a fazer e do andamento da investigação».

A mãe do indivíduo montou há dias uma banca de recolha de depoimentos sobre o desaparecimento da menina de quatro anos, com o argumento de que pretendia recolher testemunhos de pessoas que, por qualquer razão, tivessem medo de contactar com as autoridades.

SOL com agências





domingo, 13 de mayo de 2007

Recordando - 13 de Mayo de 2007



Madeleine
PJ interrogou testemunha mas não conseguiu boas pistas
Um cidadão inglês que reside e trabalha na zona de Lagos esteve a ser ouvido na PJ de Portimão esta noite, mas o inquérito não surtiu efeito para a investigação

Segundo fonte oficial da PJ, «foi ouvido um homem inglês que reside e trabalha na zona [Praia da Luz - Lagos]», tratando-se de mais uma das pistas que se andava a confirmar, mas que «não levou a bom porto, infelizmente, as investigações».

Alguns jornais portugueses avançam hoje com a possibilidade da pequena Maddie ter sido vendida para o Norte de África ou que a polícia judiciária está a investigar uma tese de vingança, mas a Judiciária não confirmou nenhuma das informações avançadas.

«Até ao momento não foi constituído nenhum arguido no caso Madeleine, adiantou ainda o porta-voz da Polícia Judiciária», observando que a tese de rapto é o móbil com «mais consistência» até ao momento e que é provável que estejam várias pessoas envolvidas no desaparecimento da menina inglesa, aliás como acontece normalmente em casos de rapto.

A Judiciária tem cerca de 100 homens a investigar o caso Madeleine, que estão a ser auxiliados por dois profilers britânicos - especialistas em crimes de âmbito sexual -, dois polícias de Leicester e uma analista britânica que está a verificar a informação especulativa que vai aparecendo.

Segundo o inspector-chefe Olegário de Sousa, o nível de investigação dos polícias britânicos e portugueses é muito semelhante, mas admite que os ingleses têm mais tecnologia e experiência em desaparecimento de crianças (por haver mais casos na Grã-Bretanha) e mais facilidade em colocar infiltrados no terreno.

Esta manhã, na vila da Praia da Luz, os pais de Madeleine MacCann estiveram a assistir à missa de domingo na Igreja da Luz, momentos religiosos de que não abdicam diariamente.

A Sky News está desde sábado a fazer transmissões em directo da Praia da Luz, com duas pivôts junto ao apartamento onde desapareceu a menina Maddie, de quatro anos, há 10 dias.

Lusa / SOL



sábado, 12 de mayo de 2007

Recordando - 12 de Mayo de 2007



Menina faz hoje quatro anos
No rasto de Madeleine
A Polícia Judiciária não tem pistas do paradeiro de Madeleine, que hoje faz quatro anos. Segundo disseram ao SOL fontes policiais, tudo indica que ela está já no estrangeiro, nomeadamente em Espanha

Por isso, as autoridades portuguesas já solicitaram à polícia local espanhola, assim como as outras, que divulgue a cara de Madeleine. No entanto, referiu fonte policial, «em Espanha há 50 mil crianças desaparecidas».

A tese, até ontem defendida, de que a criança inglesa foi raptada levou as autoridades a terminarem as buscas no local. Na quinta-feira à noite, ainda foram feitas buscas intensas com equipas renovadas de cães e agentes.

O objectivo, segundo explicou fonte da PJ, era «analisar tudo mais uma vez, à exaustão». De resto, a PJ não tem suspeitos. E, por isso, também não exclui por completo a hipótese de a criança estar morta.

Continue a ler esta notícia na edição em papel disponível online 2.ª feira.

Caso Madeleine McCann - El misterio de los McCann


12 de mayo de 2007

Si lee los medios de comunicación de Reino Unido, periódicos y las páginas webs de los mismos, si ve las noticias de la TV en Reino Unido, se le podría perdonar por sentir lástima por los McCann y creer que lo peor que hicieron fue ir de vacaciones a una zona sin ley de Portugal, plagada de delincuentes de la peor especie y vigilados por torpes “extranjeros” idiotas que apenas pueden encadenar dos palabras de inglés.

Se le podría perdonar que crea que hay muchas pruebas de que Madeleine fue secuestrada por una red de pedofilia a pesar del gran esfuerzo de sus padres por protegerla.

Se le podría perdonar que crea que Kate es la madre perfecta, una dama de categoría con una gran moralidad y profunda fe religiosa.

Se le podría perdonar por creer que su orgulloso padre busca mantener un el perfil del caso alto para asegurarse que la búsqueda de su hija desaparecida continúe hasta que sea encontrada viva y bien, dándole a captores un momento difícil.

Pero para mí, el verdadero misterio no es qué le ocurrió a Madeleine (un misterio por supuesto, pero uno que ha sido resuelto en gran medida en su raíz por la policía portuguesa) sino por qué los medios de comunicación siguen evitando hacer las preguntas difíciles y siempre se aproximan a ellos como a la Realeza – evitan las preguntas controvertidas como una plaga.


viernes, 11 de mayo de 2007

Recordando - 11 de Mayo de 2007

Hoy SOL no publicó ningún artículo.

jueves, 10 de mayo de 2007

Recordando - 10 de Mayo de 2007



Continuam as buscas
Madeleine desapareceu há uma semana
As buscas da pequena Madeleine McCann, a menina inglesa que desapareceu no Algarve há sete dias, mantêm-se hoje com cerca de 150 pessoas no terreno

Confrontado com a questão de quando serão suspensas as buscas, o major Luís Sequeira, responsável da GNR, limitou-se a dizer: «as buscas nunca serão suspensas até se encontrar a menina».

O mesmo responsável adiantou ainda que até ao momento ainda não há dados de buscas positivas.

Para hoje, às 10h, está marcada uma missa na capela da Praia da Luz para rezar pelo aparecimento de Madeleine.

Os pais de Madeleine também vão assistir a esta cerimónia religiosa, organizada pela igreja anglicana do Algarve, apesar de a família ser católica.

Lusa / SOL



Madeleine
Polícia britânica segue pista telefónica
A polícia inglesa tem na sua posse «informação muito útil» sobre Madeleine McCann dada por britânicos que telefonaram para uma linha que recebe depoimentos anónimos, afirmou hoje fonte da organização que gere esta linha

A informação, recolhida desde quarta-feira à tarde, já foi transmitida à polícia de Leicestershire, região onde reside a família McCann e que está a colaborar estreitamente com as autoridades portuguesas, garante a organização Crimestoppers.

A Lusa tentou confirmar junto da polícia de Leicestershire se esta informação já foi entregue aos investigadores portugueses, mas não obteve resposta.

Madeleine McCann, de três anos, desapareceu na passada quinta-feira do quarto onde dormia num complexo turístico na Praia da Luz, no Algarve, decorrendo desde então uma busca policial para a encontrar, até agora sem sucesso.

A linha telefónica é gerida pela organização sem fins lucrativos Crimestoppers, que recolhe depoimentos anónimos para ajudar a polícia a resolver crimes.

«É informação muito útil», confirmou uma porta-voz à agência Lusa, sem adiantar a natureza dos dados.

Segundo a mesma fonte, os elementos, recolhidos por voluntários que recebem as chamadas, são entregues à polícia inglesa, que se encarregará depois de os analisar.

A Crimestoppers começou a receber telefonemas sobre o desaparecimento de Madeleine McCann «ontem [quatra-feira] à tarde» a uma média de «três ou quatro telefonemas por hora», adiantou.

Os telefonemas são essencialmente feitos por ingleses «que estão em Portugal ou que regressaram de férias», acrescentou.

Além de receber chamadas no seu número habitual [0800 555 111], a Crimestoppers criou «excepcionalmente» um número especial para o efeito devido às dificuldades em telefonar do estrangeiro.

Assim, quem ligar de Portugal ou de outro país pode fazê-lo através do 0044 1883 731 336, facilitando o contacto com britânicos que preferem dar a informação na sua língua materna ou de forma anónima.

Desde que foi criada em 1998, a Crimestoppers afirma ter recebido mais de 865 mil telefonemas com informação útil que resultaram em mais de 76 mil detenções e processos e na recuperação de bens e droga no valor de milhões de euros.

Lusa/SOL



Madeleine
Governo elogia PJ e garante todo o apoio às investigações em curso
O ministro da Justiça, Alberto Costa, elogiou hoje o trabalho desenvolvido pela Polícia Judiciária (PJ) na procura da criança inglesa desaparecida na semana passada, no Algarve, sublinhando que o Governo dará todo o apoio necessário.

Madeleine McCann, criança inglesa de três anos, desapareceu quinta-feira passada do quarto onde dormia num complexo turístico na Praia da Luz, no Algarve, decorrendo desde então uma busca policial para a encontrar, até agora sem sucesso.

Falando no final do Conselho de Ministros, Alberto Costa disse que o Governo «acompanha naturalmente com preocupação a evolução das investigações, em que a PJ tem dado o melhor de si».

«Nestas investigações, a PJ tem revelado toda a sua competência e credibilidade internacionalmente reconhecida. O Governo realça esse empenho da PJ, tendo procurado assegurar-se da existência de todos os meios que esta polícia considere necessários para a investigação», frisou o titular da pasta da Justiça.

Segundo Alberto Costa, o processo de inquérito em curso no Algarve, «como todos os outros, decorre sob autoridade do Ministério Público».

«Este processo vai desenvolver-se com preocupação e empenho do Governo, mas sem interferência. Faz parte da nossa ordem constitucional que as responsabilidades estejam perfeitamente definidas», sublinhou Alberto Costa.

O ministro da Justiça referiu ainda a abertura do Governo ao nível da «cooperação internacional, que já se verifica, mas respeitará em absoluto as regras do Estado de Direito».

Lusa/SOL


Madeleine
Recompensas por informações atingem cerca de 170 mil euros
As recompensas oferecidas por informações sobre o paradeiro da criança inglesa desaparecida quinta- feira na Praia da Luz, Lagos, já atingem pelo menos 170 mil euros

Depois das ofertas de recompensa anunciada pelo jornal britânico The Sun e por um colega da mãe da menina, hoje o jornal de língua inglesa publicado em Portugal - Portugal News - produziu um poster a anunciar uma recompensa de dez mil euros.

A primeira iniciativa partiu do jornal britânico The Sun que no dia seguinte ao desaparecimento da criança decidiu oferecer uma recompensa de 15.000 euros a quem der informações sobre o seu paradeiro.

Num poster escrito em português disponível no seu site na Internet, o jornal faz o apelo «Viu esta rapariga?» e oferece 15.000 euros (10.000 libras) em troca de informações que possam conduzir ao paradeiro da menina.

Estão disponíveis duas versões deste poster, uma em inglês e outra em português, com os contactos telefónicos da polícia portuguesa e do jornal britânico.

O poster indica que a menina de três anos «foi levada enquanto dormia, depois de um assalto à casa dela».

No domingo, um outro jornal britânico - o Daily Mail - noticiou que um amigo da mãe de Madeleine, ofereceu uma recompensa de 100.000 libras (cerca de 147.000 euros) sobre informações acerca do paradeiro da menina.

De acordo com o Daily Mail, um colega da mãe da criança, um médico, contactou o The Mail on Sunday a oferecer 100.000 libras de recompensa.

«Nunca, numa visão mais pessimista, poderia imaginar que algo tão horrível [como o rapto] poderia acontecer», considerou o médico, que pediu para que o seu nome não fosse divulgado.

«A razão pela qual quero dar esta recompensa é simplesmente na esperança que eles [pais] consigam ter a menina de volta», justificou.

Madeleine McCann, três anos, desapareceu na noite de 03 de Maio de uma moradia próxima da Praia da Luz, Lagos, onde se encontrava apenas acompanhada por dois irmãos, gémeos, de dois anos.

Os pais estavam a jantar num restaurante próximo.

Lusa/SOL


Caso Maddie
PJ diz não existirem suspeitas sobre pais e familiares da criança
A Polícia Judiciária (PJ) assegurou hoje que «não recai qualquer tipo de suspeita sobre familiares e amigos da criança» Madeleine MacCann, que foram hoje novamente inquiridos pela PJ

«Sobres os mesmos não recai qualquer tipo de suspeita, tendo sido ouvidos por necessidades de esclarecimentos da investigação», refere a PJ, num comunicado divulgado no início da conferência de imprensa realizada hoje em Portimão.

Lusa/SOL




Madeleine
Elementos da PJ concentrados no apartamento onde criança desapareceu
Elementos da PJ regressaram hoje ao apartamento de onde desapareceu a pequena Madeleine, no dia em que foi anunciado, em conferência de imprensa, que as buscas a cargo da GNR estão a terminar

Elementos policiais continuam concentrados junto do apartamento, em frente do qual a GNR estacionou uma das suas carrinhas.

Madeleine MacCann desapareceu quinta-feira passada de um aldeamento turístico na Praia da Luz, estando os pais a jantar num restaurante dentro do empreendimento e próximo da habitação onde a menina dormia, juntamente com dois irmão gémeos.

Têm participado nas buscas a GNR, Polícia Marítima, PSP, Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS), Protecção Civil Municipal de Lagos, Cruz Vermelha, Bombeiros e Equipas de Vigilância Florestal da GNR (SEPNA), sem resultados.

Lusa/SOL



Madeleine
PJ e GNR inspeccionam apartamentos contíguos ao do desaparecimento
Elementos da Polícia Judiciária (PJ) e da GNR inspeccionaram hoje ao fim da tarde os apartamentos circundantes à habitação de onde desapareceu, há uma semana, a menina Madelaine McCann

Os investigadores, acompanhados por cães, regressaram cerca das 19h00 ao apartamento de onde desapareceu a criança britânica de três anos, e ainda se encontram a seguir eventuais pistas ou a realizar mais perícias no local.

As autoridades entraram também nos apartamentos contíguos e aproximaram-se das varandas, inspeccionando janelas e o interior das casas. A judiciária pediu autorização aos ocupantes estrangeiros de um dos apartamentos para entrar na habitação através da varanda.

Questionados pelos jornalistas sobre os propósitos da busca no seu apartamento, os turistas remeteram-se ao silêncio. Entretanto, os pais da menina poderão já ter saído das instalações da Polícia Judiciária de Portimão, onde se encontravam a prestar declarações com mais dois casais.

Dos três carros que deram entrada ao início da tarde nas instalações da polícia de Portimão, dois já saíram, mas os passageiros estavam tapados para não serem vistos pelos jornalistas.

Os carros ainda não chegaram ao complexo turístico Ocean Club, na Praia da Luz, o mesmo de onde desapareceu Madeleine há uma semana e onde a sua família continua instalada.

Lusa/SOL









miércoles, 9 de mayo de 2007

Recordando - 9 de Mayo de 2007



Madeleine

Mulher diz que viu viatura suspeita na noite do desaparecimento
A dona de um estabelecimento junto ao aldeamento turístico de onde desapareceu quinta-feira a menina inglesa denunciou às autoridades movimentos suspeitos de uma viatura, entre as 22h30 e as 23:00 daquele dia, que já avistara na Marina de Lagos

Fonte próxima das investigações disse hoje à agência Lusa que a mulher avistou «um carro com três ou quatro homens» na zona daquele aldeamento turístico, na Praia da Luz, perto de Lagos, mas só após a notícia do desaparecimento da menina Madeleine McCann contactou as autoridades.

Sexta-feira de manhã, a mulher dirigiu-se ao posto da GNR de Lagos, onde lhe terá sido dito que não havia tempo para a receber, mas mais tarde acabou por ser ouvida pelos investigadores.

De acordo com a testemunha, tratava-se do mesmo carro e indivíduos que vira a circular na Marina de Lagos dias antes, numa movimentação que já na altura achou «esquisita».

Contactada pela Lusa no estabelecimento comercial, situado a uma centena de metros do quarto de onde Maddie desapareceu, a mulher confirmou ter sido ouvida pela Polícia, mas não confirmou nem desmentiu os acontecimentos, remetendo-se ao silêncio.

«Tudo o que sei já disse à Polícia, não tenho mais nada a dizer», observou, não conseguindo disfarçar o nervosismo face à abordagem da reportagem da Lusa.

Junto ao local do onde Maddie desapareceu continuam dezenas de jornalistas portugueses e britânicos - a que hoje se juntou uma equipa da Antena 3 espanhola -, na esperança de que as autoridades forneçam novos elementos.

Na zona, o dia de hoje foi agitado pela entrega às autoridades de uma peça de roupa infantil com um bilhete, cujo conteúdo se desconhece.

A peça de roupa, entregue pouco antes das 14h00 pelo ocupante de uma carrinha, poderá ser um babete ou uma blusa tipo 'top', de cor verde.

O homem parou bruscamente a viatura, junto ao sítio onde estão os jornalistas, e entregou a peça a um militar da GNR, que a transportou para o posto móvel, situado frente ao bloco de apartamentos.

Desvalorizando a entrega, fonte da GNR disse à Lusa que aquele tipo de achados tem sido muito frequente nos últimos dias, estando as autoridades a analisar diversos objectos relacionados com crianças.

Entretanto, a vigilância no terreno continua a ser feita pela GNR, Bombeiros, elementos da Protecção Civil e grupos de populares, até ao momento sem quaisquer resultados conhecidos.

Lusa/SOL



Madeleine
Imprensa britânica especula sobre suspeito do rapto
A imprensa britânica noticia hoje que dias antes do rapto da menina inglesa foi avistado um homem a vaguear perto do quarto de onde veio a desaparecer

O The Sun afirma que o homem foi avistado a mexer nas persianas do quarto da criança e a agarrar um carrinho de bebé e que terá fugido quando confrontado por uma funcionária do complexo turístico.

Esta funcionária descreveu o homem como «esquisito», de meia-idade, pele escuro e barba por fazer. Madeleine McCann de três anos de idade está desaparecida desde a noite de quinta-feira passada do aldeamento turístico de Lagos onde a família se encontrava.

Por sua vez, o Times online noticia hoje que dezenas de transgressores sexuais que viajaram para o Algarve nos meses anteriores ao desaparecimento da jovem britânica estão a ser procurados pelas polícias portuguesa e britânica.

Este jornal adianta que a policia portuguesa elaborou o retrato de um homem inglês que pretende interrogar e que consiste num homem branco, com 1,70 metros, com idade entre os 35 e os 40 anos, com cabelo curto e preto.

A versão electrónica do Times salienta também que os residentes em Lagos continuam a rezar pelo aparecimento da jovem, ao mesmo tempo que estão a ficar irritados com a atenção crescente da imprensa britânica.

O jornal realça que os moradores estão descontentes com a forma crítica como os jornais ingleses estão a avaliar o desempenho das autoridades policiais portuguesas e refere que, por sua vez, a imprensa portuguesa tem defendido os investigadores.

O diário The Independent destaca a crescente influência da polícia britânica na investigação ao desaparecimento de Madeleine, e dá como exemplo o envio para Portugal de um especialista inglês em comportamento pedófilo.

Cristiano Ronaldo, o futebolista português ao serviço da equipa inglesa do Manchester United surge em destaque no Daily Mail devido ao apelo que fez para que a criança seja entregue aos pais.

Lusa / SOL



Madeleine
Especialistas anti-pedofilia ajudam na investigação
Dois especialistas de uma agência britânica de luta contra a pedofilia estão a ajudar a polícia portuguesa na investigação do desaparecimento da pequena Madeleine

«Dois especialistas em comportamento foram enviados (para Portugal) pela Child Exploitation and Online Protection Center (CEOP)» disse hoje um porta-voz da instituição à agência France Press.

A organização não avança mais pormenores sobre a natureza do trabalho dos analistas que partiram sábado do Reino Unido, mas no seu site Internet precisa que a «CEOP está a trabalhar com a polícia portuguesa para ajudar a encontrar Madeleine McCann».

A polícia de Leicestershire, onde vivem os pais de Madeleine, confirmou também ter enviado para Portugal três agentes para colaborarem na investigação.

«Enviámos três polícias como agentes de ligação para ajudar a família», indicou o porta-voz daquela polícia.

O embaixador britânico em Portugal, John Buck, revelara terça-feira que já estavam em Portugal mais elementos da polícia britânica para ajudarem as autoridades portuguesas na investigação do desaparecimento da pequena Maddie, mas não adiantou o número de polícias já a actuar em Portugal.

A mesma fonte anunciara sábado a chegada de uma unidade de três elementos, especializada no apoio psicológico neste tipo de casos.

Lusa / SOL



Madeleine
Tony Blair realça colaboração com a polícia portuguesa
Londres está empenhar todos os esforços para ajudar a polícia portuguesa nas investigações sobre o desaparecimento da menina inglesa, afirma um porta-voz do primeiro-ministro

«São dias muito difíceis, acima de tudo para a família, e nós compreendemos isso muito bem», adiantou o porta-voz do chefe do governo britânico.

«Mas são também dias difíceis para os que estão a tentar efectuar a investigação, e estamos a ajudá-los de todas as formas. Temos um certo nível de experiência que foi colocado à disposição» dos investigadores portugueses, adiantou o responsável.

A mesma fonte referiu que Blair e o Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico estão a ser informados sobre a evolução das investigações.

A agência britânica de protecção de crianças na Internet e de luta contra a pedofilia enviou, sábado, peritos em comportamento para ajudar a polícia portuguesa nas investigações.

Por sua vez, a polícia de Leicestershire, onde vivem habitualmente os pais de Madeleine, Gerry e Kate McCann enviou três polícias a Portugal, que funcionarão como agentes de ligação e que auxiliarão a família.

Madeleine McCann, que completará quatro anos no sábado, estava de férias em Lagos, com a família, quando desapareceu quinta-feira passada.

Lusa / SOL