lunes, 27 de febrero de 2012

Caso Madeleine McCann: La desaparición de Maddie se convierte en novela


 26 de Febrero de 2012 

 La desaparición de Maddie se convierte en novela 

 El 3 de mayo de 2007, Madeleine McCann desapareció. Se la suponía durmiendo en la habitación del apartamento de vacaciones que sus padres habían alquilado en el complejo Ocean Club en el sur de Portugal. Iba a cumplir 4 años. 

 Hacia las 22 horas, esa noche, su madre se eclipsó del restaurante donde cenaba con su marido y sus amigos para asegurarse de que todo estaba bien en el pequeño apartamento de dos habitaciones. Ella abre la puerta... Los gemelos, de dos años, duermen profundamente, pero su hija no está en la cama. La ventana está abierta, la persiana levantada. Da la alarma. 

 Un caso que va a hacer correr mucha tinta. Rápidamente, toma una dimensión internacional. El 9 de mayo, Interpol emite una ficha de búsqueda. La prensa británica se desenfrena y pone en duda la labor de la policía portuguesa. El primer ministro Gordon Brown interviene. Llegan investigadores de Scotland Yard. Es creado un fondo de apoyo, el millonario Brian Kennedy lo avala, el dueño de Virgin también. La pagina web recibe 5 millones de visitantes en 24 horas. Los padres contratan un director de comunicacion. Varios millones de donaciones, tal vez diez. Perros pisteros detectan rastros sospechosos. Gonçalo Amaral, el policía de la PJ encargado de la investigación, presiona a los padres. Él piensa que han encubierto la muerte accidental de su hija. El Papa recibe a los McCann. Un antiguo pedófilo es detenido. Echan a Amaral... Él escribió un libro. La madre también... Todavía no se sabe lo que le ocurrió a la pequeña Maddie.



 "Nunca antes en la historia, tantas personas se interesaron por el destino de una niña", escribió Duarte Levy en la cabecera del blog dedicado a este caso. 

 Para su novela “Belle famille”, publicada por Gallimard, Arthur Dreyfus, en una entrevista en France Culture, dijo haber hecho una conexión entre este caso y el “El Rojo y el Negro” (Nota de Mila: se refiere a la novela “Le rouge et le noir” de Stendhal, publicada en 1830). Para el personaje de Julien Sorel, Stendhal se habría inspirado de las desventuras de un criminal, Antoine Berthet, que fue guillotinado en 1828. (Creo que es sólo una hipótesis.) Dreyfus quedo cautivado por el aspecto mágico de esta historia. Los padres acuestan a sus hijos, van al restaurante, y después…"Unas horas más tarde, regresan, ella ha desparecido, no hay ni un rastro de ADN en el apartamento, no hay trazas de efracción, los hermanos no se han despertado. Es como si la niña se hubiera evaporado. Así que hay algo mágico en esta desaparición”. 

 Su libro, es la historia de un niño pequeño. Tiene 9 años, se llama Madec Macand. Y no es inglés, sino francés. En la primera parte, es el personaje central. Un niño de mente aguda, que descubre la vida y se interroga sobre la muerte. Además es la última frase del epílogo: "A Madec le gusta morir". 

 Luego, desaparece. No hay ningún misterio, sabemos lo que le sucede. La trama se basa en el comportamiento de su madre. El autor no ha buscado acercarse a la realidad, sino al aspecto humano, psicológico. Una serie de gestos sin pensar que encierran a la mujer en sus mentiras. Hasta el punto de que ya no será capaz de distinguir lo verdadero de lo falso. El no apoya ninguna hipótesis. No busca probar la verdad, él inventa una. La sueña. "El escritor no hace más que eso: soñar la verdad." 

 Arthur Dreyfus tiene 26 años. Esta es su segunda novela. En esta entrevista, cuenta que una lectora lo interpeló para preguntarle si el hecho de partir de un suceso para escribir un libro, no era como mirar en el arroyo... Y él le contesto que la única cosa que le entusiasma, como escritor, es precisamente mirar en los arroyos... 

 No es una réplica muy buena, pero su libro es notable en muchos aspectos. No tengo competencia alguna para juzgar a un escritor, pero como mero lector, debo decir que este señor tiene talento. Hurga en las almas. 

En la vida real, la familia McCann ha atacado sistemáticamente a todos los que hablaron de "su" caso de una manera que estimaron desagradable. Se dice también que han amasado una pequeña fortuna en daños y perjuicios. No sé si atacaran a Gallimard ante la justicia. Su última hazaña legal data de pocos meses. Han atacado a tres personalidades de la televisión portuguesa, un presentador estrella, un psicólogo y un periodista. 

 En cuanto a Gonçalo Amaral, que fue condenado en primera instancia por su libro L’enquête interdite (Editorial Bourin), el Tribunal de Apelación finalmente le ha dado la razón. Los McCann intentaron un recurso ante el Tribunal Supremo, pero este rechazó su petición. El ex policía podrá, pues, recuperar parte de sus haberes que habían sido puestos bajo administración judicial y volver a sacar su libro a la venta. Su vida privada ha sufrido un rudo golpe, pero como él dice, es el final del túnel. Sin embargo, yo creo que aun no ha terminado con los McCann. 

 No sé si algún día sabremos lo que le pasó a la pequeña Maddie. Las desapariciones de niños quedan a menudo sin explicación. Sin embargo, este caso hará época debido a su mediatización mundial, a través de Internet, y por el dinero que ha generado. 

 Y además, siempre quedara esta novela

Traducción de Mila

14 comentarios :

  1. Me pregunto si denunciaran a Gallimard y lo llevarán a los Tribunales o sólo persiguen a Amaral......En este caso, si asi sería, la niña importaría muy poco. Lo único que importaría es hundir a Amaral....¿por que?

    ResponderEliminar
  2. Buenos días, Guapas!

    Perseguem Amaral e T.B. ; ou seja todos aqueles que não acreditam na versão que os coins querem " oficializar".

    Penso também que deste modo continuam a encher os bolsos com libras,euros . Ainda ontem vi uma página da cátia ( mais uma) a pedir dinheiro.

    mil..... besos

    Ah! Outra teoria ( a fingir que sou psicóloga)

    Será que eles têm uma relação de amor/ódio pelos 2 Homens?

    Ódio e amor têm uma fronteira muito pequena. Já agora a hermida também tem esse tipo de relação com GA:

    http://4.bp.blogspot.com/-c6eL02BPq7M/T0oeRbZy06I/AAAAAAAAJPo/_7ygxGf_NtE/s1600/AINFAME.png

    ResponderEliminar
  3. Parece haber nuevas pistas en el caso de la desaparición de Yeremi Vargas. Un coche con ropas de niño reavivan las pesquisas. ¿De quien será el coche?

    ResponderEliminar
  4. Gracias anónimo.

    Mas detalles en el blog Yeremi Vargas, enlace directo en la lista de blogs.

    ResponderEliminar
  5. Buenas tardes!
    Paso a saludaros.
    Ojala se pueda saber algo de Yeremi Vargas...

    Acabo de leer en "Palavras escritas..." el interview de GA por C.Saraiva, el GA dice que no les va muy bien a los papis... "what is known is that the "thing" is not going very well for the side of McCann ."

    Luci

    ResponderEliminar
  6. Gracias Luci, un gran abrazo!

    También a mi me ha parecido interesante el articulo que Maria1000 ha publicado. GA da la impresión de sentirse combativo.
    Lo que me extrañó fue que los padres pidieran un aplazamiento del juicio justo cuando GA cambiaba de abogado.Ellos llevan años preparándolo con el mismo equipo. Tendrían que tener todo a punto desde hace mucho tiempo. Me habría parecido mas lógico por su parte no retrasar nada, para no dar tiempo a la parte adversa de conocerse el caso al dedillo. Ellos sabrán.


    Os aconsejo a tod@s un articulo sobre la hiper-sexualizacion de las niñas; estoy (casi) segura de que Maria1000 lo va a incluir en sus Palavras escritas....
    En francés, vale la pena pasarle un Gogol:


    http://leplus.nouvelobs.com/contribution/219434-hypersexualisation-des-fillettes-40-ans-de-pub-de-plus-en-plus-osees.html

    .

    ResponderEliminar
  7. Buenos días a Todas! Buenos días a Luci ( gracias!) e a MIla !

    Sim, Mila: vou colocar no meu . Muito e muito obrigada. Muchas e muchas gracias pelo enlace!

    mil besos.

    ResponderEliminar
  8. Entrevista a Gonçalo Amaral por Carlos Saraiva

    Semanário "O Crime" quinta-feira, 1 de Março de 2012 ( pág.s 12 e 13)

    "Suspeito que os meus livros foram destruídos"

    A nova fonte de conflito entre o ex-inspector da PJ e o casal McCann gira em torno da devolução do livro escrito por Amaral. Os tribunais anularam a providência cautelar que pendia sobre a obra e, agora, o ex-inspector reclama 7500 exemplares de " Maddie - A verdade da mentira", cuja fiel depositária é a representante legal dos McCann em Portugal.

    " o crime" - O Tribunal da Relação decretou que os livros ( Maddie - A verdade da mentira ) que lhe foram apreendidos, lhe fossem entregues. Já os tem na sua posse?

    Gonçalo Amaral - o Tribunal da Relação de Lisboa decretou que o meu livro e as minhas opiniões não violavam direitos privados do casal McCann, pais da criança desaparecida, pelo que, a providência cautelar foi peremptoriamente negada.

    A decisão já transitou em julgado?

    A decisão do Tribunal da Relação não admitia recurso. Mesmo assim, a ilustre advogada do casal conseguiu atrasar o trânsito em julgado, o que ocorreu em Novembro de 2011, após decisão contrária aos McCann proferida pelo Supremo Tribunal de Justiça de Lisboa. Tem andado a vender " gato por lebre " e já começo a duvidar que o casal McCann tenha conhecimento das decisões dos tribunais portugueses. Talvez continuem a pagar sem saber o resultado.

    Porque motivo não lhe foram devolvidos?

    Duvido que os livros existam. Aliás, é bom recordar que a advogada dos McCann sempre disse que tais livros nunca seriam postos à venda. De onde lhe vem tal certeza… não sei. Apenas sei que tal advogada e os seus clientes não cumprem decisões de tribunais portugueses, o que pode ser demonstrativo do seu carácter, ou, no mínimo, da sua forma de estar no ordenamento jurídico português.
    Deixe-me recordar-lhe que, por suspeitar que tais livros tenham sido destruídos, denunciei a situação ao Ministério Público, decorrendo neste momento no DIAP de Lisboa um processo-crime, por descaminho ou destruição de objectos colocados sob o poder público ( artº 355 C do Código Penal) , abstractamente punível com uma pena de prisão até 5 anos, em que são suspeitos o casal McCann e a sua ilustre advogada.

    ResponderEliminar
  9. De quantos exemplares estamos a falar?

    Estarão em causa cerca de 7500 exemplares.

    Quando lhe forem entregues vai recolocá-los no circuito comercial?

    Aqueles livros, ou uma nova reedição, já deveria estar no mercado. A editora "Guerra e Paz" saberá desse assunto.

    Em que fase está o processo cível que os McCann têm contra si ?

    Estamos na fase de pré-audiência de julgamento. Neste momento, o meu novo advogado tem
    " mexido " num processo que estava parado e tal situação tem causado o pânico na parte contrária.

    Um dos argumentos mais fortes da acusação passa por alegar que Gonçalo Amaral enriqueceu com os direitos do livro. Que comentário lhe merece?

    Se alguém quer falar de " enriquecimento" , primeiro pense nos pais da criança desaparecida , nos seus familiares, no seu "staff" de apoio e na sua ilustre advogada.
    Neste último caso era importante que a mesma dissesse quanto já ganhou e as perspectivas dos ganhos que ainda alimenta, já para não falarmos de outros advogados, em agências de detectives e de comunicação.

    Tem alguma expectativa em relação a este processo?

    A única expectativa é que iremos ganhar a acção, pois não existem factos nem matéria de pedir. A acção dos McCann é inepta. E tudo isso causa um grande desespero na sua ilustre advogada, a qual sente necessidade de avançar com uma campanha de desinformação e de difamação contra a minha pessoa. Não deve esquecer o que tem dito, porque por tal irá responder em tribunal.

    ResponderEliminar
  10. Como sabe , o Primeiro Ministro David Cameron, mandou reavaliar a investigação em Inglaterra acerca do desaparecimento de Maddie. Como é que avalia essa decisão, admitindo que os ingleses dificilmente terão acesso à investigação em Portugal?

    A decisão desse Primeiro Ministro tem sido deturpada. O casal McCann tem falado numa reavaliação dos " avistamentos" da criança. Mas o que está a conhecer é que a Scotland Yard, nomeada para reavaliar toda a investigação, tem colocado de lado os pseudo-avistamentos centrando-se no processo que se encontra arquivado. Os elementos da Scotland Yard têm estado a trabalhar com uma equipa de investigação do Porto ( Porto porque o Algarve e Lisboa já tinham estado envolvidos) , e o que se sabe é que a "coisa" não está a correr muito bem para o lado dos McCann.

    O caso Maddie, pode dizer-se ( não é segredo) comprometeu a sua carreira na PJ. Que mágoas sente em relação a isso ?

    Não concordo! O caso "Maddie " aconteceu numa fase da minha vida em que já me encontrava cansado de dizer " sim". Apenas e só isso.

    Foi ingénuo?

    Nada disso. Saí da Polícia Judiciária por minha iniciativa e de cabeça erguida, trabalhei ali durante quase trinta anos e tive uma carreira de sucesso e impoluta. Os detractores que tentem denegrir tal carreira, porque, depois, logo falamos.


    Até agora as pista recolhidas pelos detectives privados que procuram a criança, mesmo as que se tornaram mais mediáticas, não se revelaram úteis e, porventura, terão até lançado mais confusão sobre o caso. Qual é a sua opinião?


    Os detectives privados , na sua generalidade, preocuparam-se em inventar histórias sobre os investigadores portugueses encarregues do caso, ou em criar falsos avistamentos. O casal McCann deveria ter a coragem para divulgar todos os relatórios gerados por tais detectives privados e aí ficaríamos a saber para que tem servido o fundo criado para encontrar a criança.. Seria muito interessante.
    Aliás, deixe-me recordar-lhe a actuação da agência de detectives " Método 3 ". Esses senhores criaram diversos avistamentos. A dada altura, Natal de 2007, chegaram a dizer que a criança desaparecida estaria em casa nesse mesmo Natal. Naquela altura tentavam ligar a investigação ao desaparecimento de Madeleine. Chegaram a " contactar" um advogado/médium para fazer essa ligação. Tal personagem foi a primeira pessoa que, publicamente, com cobertura mediática , afirmou que Madeleine estava morta, tendo procedido a buscas em barragens algarvias. E hoje é de pasmar, ou talvez não, que seja a ilustre advogada dos McCann a defendê-lo no processo que intentei contra ele por difamação qualificada e por cujo crime se encontra a ser julgado no Tribunal de Faro. Agora paremos um bocadinho. recorde-se que os McCann afirmam que, quando expressei a minha opinião no sentido de a criança estar morta, estava, segundo eles, a comprometer as buscas para a encontrar.
    Agora pergunto-lhe a si e a qualquer cidadão: qual a razão para a advogada dos McCann estar a defender uma pessoa que manifesta e já manifestou publicamente a ideia de que Madeleine está morta? Qual a razão para a "Método 3" ter contactado o advogado/médium? Seguramente não é para encontrar a criança viva.

    Ainda considera que algum dia saberemos o que aconteceu, isto para além de qualquer dúvida?

    Alguém há-de encontrar uma solução politicamente correcta e diplomática.
    ****

    mil besos

    ResponderEliminar
  11. Espero ter copiado bem..

    mil...besos.......

    http://mariacpois.blogspot.com/2012/03/ga-entrevista.html

    ResponderEliminar
  12. Gracias mil, Maria1000! beijinhos.

    ResponderEliminar
  13. Mila: buenos días! Eu é que Te agradeço muito. Muchas Gracias, Mila!

    Leste os comentários no enlace de França? Dá para tudo. Todos pensamos diferente mas a mim choca-me também muito a erotização de crianças ou de Lolitas. É um passo curto para os paidos.

    Mais logo vou tentar " traduzir" schiuuu não digas ao Teu Hijo.

    mil besos.

    ResponderEliminar