martes, 8 de mayo de 2007

Recordando - 8 de Mayo de 2007



Madeleine

Rapto pode ser obra de rede pedófila ou de adopção ilegal
A Polícia Judiciária está a seguir pistas que podem relacionar o desaparecimento em Lagos de uma menina inglesa a redes de exploração sexual ou de adopção ilegal

De acordo com o jornal Público de hoje, o desaparecimento de Madeleine pode ter tido como objectivo servir os interesses de uma possível rede de adopção internacional.

Esta é, escreve o jornal, uma das pistas que estão a ser seguidas pela Polícia Judiciária (PJ) e as suas congéneres europeias, no sentido de localizar o presumível autor do crime, que, segundo fontes policiais, já não deverá encontrar-se em Portugal.

Segundo o retrato-robot, desenhado pelos especialistas da PJ, trata-se de um indivíduo moreno, cabelo preto, puxado para trás, estatura média, com idade compreendida entre os 35 e os 40 anos.

O Público adianta ainda, citando uma fonte ligada à investigação, que o suspeito esteve, na semana anterior ao rapto, na zona de Sagres, onde fotografou crianças, e terá mesmo forçado à entrada de uma delas na sua viatura.

O Correio da Manhã de hoje avança mesmo com a possibilidade de o rapto de Madeleine se tratar de uma «encomenda» feita por uma rede internacional de pedofilia, muito provavelmente de origem britânica.

O matutino diz que as características do rapto levaram os investigadores da PJ, em concertação com as autoridades inglesas, a colocar a hipótese de um rapto por «encomenda».

A Directoria da PJ de Lisboa enviou na madrugada de segunda-feira investigadores das brigadas de abusos sexuais e de homicídios, que vão trabalhar a hipóteses de o rapto ter sido uma «encomenda».

De acordo com o CM, a Scotland Yard, a polícia britânica, já enviou para Portugal toda a informação disponível sobre redes pedófilas inglesas com ligações a Portugal.

A criança desapareceu quinta-feira à noite de um empreendimento perto de Lagos, onde estava a dormir juntamente com os dois irmãos, enquanto os pais jantavam num restaurante próximo.

Na segunda-feira, a PJ anunciou, num curto comunicado à imprensa, que as investigações sobre o desaparecimento da pequena Madeleine McCann «têm permitido a recolha de dados e informações que podem vir a revestir relevante interesse», mas recusou fornecer mais pormenores.

Lusa / SOL




Cristiano Ronaldo faz apelo nas televisões para encontrar Madeleine
O futebolista internacional português Cristiano Ronaldo apelou hoje, através da televisão oficial do seu clube, o Manchester United, a quem tenha informações sobre o paradeiro de Madeleine McCann para que as forneça às autoridades

«Estou muito preocupado com o desaparecimento de Madeleine McCann. Apelo a quem tenha informações que apareça», disse o internacional português, numa curta declaração em inglês, entretanto difundida pela cadeia britânica Sky News.

Uma fonte da Embaixada Britânica em Lisboa disse à Agência Lusa que a iniciativa do apelo, para o qual Cristiano Ronaldo se disponibilizou de imediato, partiu do clube inglês.

Madeleine McCann, de três anos, desapareceu de um aldeamento turístico da Praia da Luz, Lagos, na noite de quinta-feira enquanto os pais jantavam num restaurante nas imediações com amigos e familiares.

No quinto dia de buscas estão no terreno cerca de 180 agentes da Polícia Judiciária, 60 militares da GNR e bombeiros e cerca de 20 populares voluntários a investigar o caso.

Apesar dos esforços policiais e populares, desconhece-se o paradeiro da criança, que celebra quatro anos no dia 12 de Maio.

Lusa/SOL


Lagos
Ex-detective britânico critica polícia por não preservar local do crime
Um antigo investigador da polícia britânica criticou hoje os investigadores portugueses encarregues do caso da menina britânica desaparecida em Lagos por não terem «preservado o local do crime», garantindo que «é fácil a qualquer pessoa» contaminá-lo

«Acredito que a polícia portuguesa está a fazer muitas investigações, mas é estranho que não preserve a cena do crime. Não há polícias ali e é fácil a qualquer pessoa lá entrar», disse Mark Williams-Thomas, antigo detective da polícia criminal de Surrey, próximo de Londres.

Frisou que, «se alguém quisesse, poderia entrar pela porta de trás» do bloco de apartamentos de onde desapareceu a menina, «contaminando o local do crime», pois só a entrada do bloco se encontra permanentemente vigiada pela GNR.

Mark Williams-Thomas, 37 anos, considerou igualmente estranho que a Polícia Judiciária não bata de novo às portas dos apartamentos na vizinhança do Ocean Club.

«Esperava vê-los a bater às portas mais do que uma vez, porque da primeira vez há sempre alguém que não está em casa ou alguma coisa que escapa», enfatizou.

As críticas do ex-agente britânico, actualmente detective privado, que está na Praia da Luz, Algarve, a convite da cadeia televisiva britânica Sky News, censurou também que a polícia não tenha feito um apelo público.

«A polícia deveria ter feito um apelo para que qualquer pessoa que tenha visto algo suspeito nos últimos dias ou meses, por insignificante que pareça, contacte as autoridades», sustentou.

Apesar das críticas, o investigador ressalvou que não quer alimentar especulações sobre o decurso das investigações nem pôr em causa um bom desempenho da polícia portuguesa.

Opinou ainda que, cada dia que passa, há menos possibilidades de encontrar a menina de três anos com vida.

«Quanto mais tempo passa, mais razões temos para imaginar os piores cenários, mas temos que ser optimistas», acrescentou o investigador britânico a jornalistas portugueses.

Lusa/SOL



Caso Maddie
Cavaco acompanha caso com «preocupação»
Cavaco falou esta tarde sobre o caso da menina inglesa desaparecida, dizendo que a polícia portuguesa está a «fazer tudo o que está a seu alcance»

Cavaco acompanha caso da menina «com muita preocupação» mas está convencido que as forças policiais portuguesas em colaboração com outras forças transnacionais «estão a fazer tudo, tudo o que está ao seu alcance» para encontrar a menina. «Vamos aguardar», concluiu.

O presidente falava à entrada para a escola Marquês de Pombal, em Lisboa, onde preside a uma sessão de entrega de diplomas de formação de curta duração.


eunice.lourenço@sol.pt



Lagos
Polícia investigou pista de Madeleine em Nelas mas revelou-se falso alarme
As autoridades policiais portuguesas fizeram hoje controlo de estradas na região de Viseu, depois de testemunhas relatarem ter visto um homem com uma criança parecida com Madeleine McCann, denúncia que a Polícia Judiciária já considerou «falso alarme»

Fonte da PJ disse à Lusa que as auto-estradas A25 e A24 foram alvo de controlos pela GNR na sequência da denúncia de testemunhas, que diziam ter visto o homem e a menina num supermercado do concelho de Nelas, distrito de Viseu.

No entanto, em conferência de imprensa em Portimão para fazer o ponto da situação das investigações, o inspector-chefe da Polícia Judiciária de Lisboa Olegário de Sousa disse que a pista de Nelas se revelou um falso alarme.

«A menina em questão, infelizmente, não era a mesma», disse Olegário de Sousa na conferência de imprensa de Portimão.

Em declarações anteriores aos jornalistas, uma das testemunhas de Nelas, Vítor Figueiredo, tinha dito ter visto, cerca das 11h15, um homem de entre 35 e 40 anos a entrar no supermercado com uma menina, que «tentava fugir da pessoa que a acompanhava».

«Quando a miúda não lhe obedeceu, começou a andar com ela ao colo e mesmo quando pagou, na caixa, não a pôs no chão», disse.

O homem, de cabelo louro e rabo-de-cavalo, entrou no supermercado, foi fazer compras, mas demorou pouco tempo e, enquanto isso, várias pessoas começaram a comentar a semelhança da criança com Madeleine McCann, a menina britânica desaparecida desde quinta-feira, contou a mesma testemunha.

«O que ele comprou não sei, porque estava a tentar ver a reacção dele. Depois fui comentar com a empregada da caixa, que disse que a menina, que falava inglês, lhe parecia a Madeleine», contou Vítor Figueiredo.

Questionado sobre como era a menina, a testemunha disse que lhe parecia ter o cabelo mais curto, não chegando tanto aos ombros.

«Há muitas pessoas parecidas, mas pelas imagens que tenho visto na televisão, estou convencido de que era a miúda», disse Vítor Figueiredo quando questionado pelos jornalistas se estava convicto de ter visto Madeleine McCann.

Depois de pagar as compras, o homem, que entretanto levava a menina no colo, entrou num automóvel Peugeot 106 cinzento, que seguiu em direcção a Mangualde.

As testemunhas chamaram então a GNR, que se dirigiu ao estabelecimento comercial e seguiu a investigação.

Os funcionários do supermercado terão recebido orientações das autoridades para não falarem sobre o assunto.

Madeleine McCann, uma menina inglesa de três anos, desapareceu de um complexo turístico na Praia da Luz, Lagos (Algarve), na noite de quinta-feira e a Polícia Judiciária admite a possibilidade de rapto.

Lusa/SOL



Madeleine
Imprensa britânica especula sobre suspeito do rapto
A imprensa britânica noticia hoje que dias antes do rapto da menina inglesa foi avistado um homem a vaguear perto do quarto de onde veio a desaparecer

O The Sun afirma que o homem foi avistado a mexer nas persianas do quarto da criança e a agarrar um carrinho de bebé e que terá fugido quando confrontado por uma funcionária do complexo turístico.

Esta funcionária descreveu o homem como «esquisito», de meia-idade, pele escuro e barba por fazer. Madeleine McCann de três anos de idade está desaparecida desde a noite de quinta-feira passada do aldeamento turístico de Lagos onde a família se encontrava.

Por sua vez, o Times online noticia hoje que dezenas de transgressores sexuais que viajaram para o Algarve nos meses anteriores ao desaparecimento da jovem britânica estão a ser procurados pelas polícias portuguesa e britânica.

Este jornal adianta que a policia portuguesa elaborou o retrato de um homem inglês que pretende interrogar e que consiste num homem branco, com 1,70 metros, com idade entre os 35 e os 40 anos, com cabelo curto e preto.

A versão electrónica do Times salienta também que os residentes em Lagos continuam a rezar pelo aparecimento da jovem, ao mesmo tempo que estão a ficar irritados com a atenção crescente da imprensa britânica.

O jornal realça que os moradores estão descontentes com a forma crítica como os jornais ingleses estão a avaliar o desempenho das autoridades policiais portuguesas e refere que, por sua vez, a imprensa portuguesa tem defendido os investigadores.

O diário The Independent destaca a crescente influência da polícia britânica na investigação ao desaparecimento de Madeleine, e dá como exemplo o envio para Portugal de um especialista inglês em comportamento pedófilo.

Cristiano Ronaldo, o futebolista português ao serviço da equipa inglesa do Manchester United surge em destaque no Daily Mail devido ao apelo que fez para que a criança seja entregue aos pais.

Lusa / SOL








0 comentarios :

Publicar un comentario

.
Política de comentarios
Nos gusta escuchar lo que tienes que decir y agradecemos vuestros comentarios. Nos reservamos el derecho de eliminar comentarios que consideremos como spam así como cualquier contribución que resulte ofensiva o inapropiada para el discurso civilizado. Tampoco toleraremos ataques personales, bien sea contra las autoras u otros participantes de este blog. Gracias por participar!